Pular para o conteúdo

Aethelflaed, a Senhora da Mércia

Embora às vezes se afirme que o casamento de Aethelflaed com o rei da Mércia, foi arranjado para garantir uma aliança entre Wessex e Mércia, isso é impreciso. As duas regiões já estavam aliadas pelo casamento de Alfredo e Ealhs com décadas antes e Aethelred já havia aceitado Alfredo como seu senhor antes de 886 dC. Uma compreensão mais precisa do casamento é que foi uma demonstração de unidade que não apenas renovou o compromisso de cada região com a outra, mas também fez uma declaração clara de força aos vikings.

Aethelred era pelo menos dez anos mais velho que Aethelflaed e provavelmente tinha sido prometido a ela desde o início. Ele aceitou Alfredo como seu suserano já em 883 dC após a vitória de Alfredo em Eddington. Aethelred é referido como um grande guerreiro cristão que lutou contra os vikings pagãos, mas não há registro de como ele se tornou rei da Mércia. Seja como for, ele tinha o controle da região por volta de 880 d.C. e era um poderoso senhor da guerra na época do casamento.

Aethelred e Aethelflaed começaram seu reinado na cidade de Gloucester, não muito longe de Wessex, e perto das propriedades de sua família. Eles tiveram uma filha, Aelfwynn, que é nomeada pela primeira vez em uma carta de terra em 903 d.C, mas não tinha idade suficiente para assiná-la como testemunha legal. Dizem que o nascimento de Aelfwynn quase matou Aethelflaed e ela tomou medidas para garantir que não tivesse mais filhos.

Fontes deste período fazem referência à doença de Aethelred e deixam claro que Aethelflaed era o poder definidor na Mércia. A história mais famosa vem dos Anais Irlandeses e conta como, em 907 d.C., um viking norueguês chamado Ingimund veio da Irlanda com suas tropas para “Aethelflaed, Rainha dos Saxões, pois seu marido Aethelred estava doente naquela época” pedindo uma lugar em que ele pudesse se estabelecer pacificamente.

READ  William Marshall

Ela lhe concedeu terras perto da cidade de Chester, mas, depois que ele estabeleceu seu povo lá, ele percebeu que havia áreas ainda mais atraentes ao redor do que havia recebido e iniciou um plano para tomar Chester à força. Mensageiros chegaram à corte para contar à rainha sobre o plano de Ingimund e ela então preparou o plano de batalha que salvou a cidade.

Ela primeiro reuniu um grande exército e depois instruiu o povo de Chester sobre como posicionar as tropas fora da cidade e lutar com os portões abertos. Dentro das muralhas da cidade uma tropa de cavalaria muito maior estaria estacionada e, em determinado ponto, o exército de fora deveria ceder diante dos vikings e recuar pelos portões abertos onde a tropa de cavalos seria desencadeada sobre os invasores.

A defesa de Chester funcionou quase como Aethelflaed havia planejado. Os defensores recuaram e a cavalaria massacrou os vikings que os seguiram. Os atacantes se recusaram a desistir, no entanto, e a batalha continuou enquanto o povo de Chester defendia a cidade derramando cerveja fervente sobre os vikings das muralhas. Quando os vikings se defenderam com escudos, os defensores arremessaram as colméias de abelhas enquanto continuavam a escaldar os vikings com cerveja até que o ataque fosse cancelado e a cidade fosse salva.

Aethelflaed era filha do rei Alfredo, o Grande de Wessex e tornou-se rainha da Mércia após a morte de seu marido Aethelred II, Senhor dos Mércios. Ela é mais conhecida como a “Senhora dos Mércios” que derrotou os vikings e estabeleceu o domínio inglês.

Aethelflaed morreu em Tamworth, possivelmente de um derrame, em 12 de junho de 918 d.C. Sua filha Aelfwynn a sucedeu, mas apenas por alguns meses antes de ser deposta por Eduardo, de Wessex, seu tio e protetor, que reivindicou a Mércia para Wessex e uniu as regiões sob seu domínio. Aelfwynn foi levada para Wessex, mas o que aconteceu com ela depois disso é desconhecido. Os mercianos se opuseram à dominação de Wessex e parece provável que Eduardo tenha posicionado seu filho Aethelstan – que àquela altura era mais um príncipe da Mércia do que Wessex – como mediador neste momento. Quando Eduardo morreu em 924 d.C., seu filho de um segundo casamento, Aelfweard, o sucedeu, mas morreu apenas 16 dias depois.

READ  Armaduras Medievais IV

Aethelstan foi proclamado rei pelos mércios e foi então relutantemente aceito pelos nobres de Wessex para se tornar rei dos anglo-saxões e, eventualmente, o primeiro rei reconhecido do povo inglês. Entre suas primeiras realizações estava a conclusão do trabalho que Aethelflaed havia começado conquistando a cidade de York e unindo a Inglaterra sob um único governante em 927 d.C.

Dois séculos depois, os historiadores escreveriam sobre Aethelflaed como uma grande governante, muito mais do que escreveriam sobre Eduardo ou mesmo Alfredo, o Grande, e reconheceram sua influência sobre o príncipe que se tornou o maior rei de sua época.

Fonte

https://www.instagram.com/p/CTVBPePo-Zt/

https://www.instagram.com/p/CTkjx9_pClE/

https://www.instagram.com/p/CTnESzsvmcJ/

Tradução e adaptação: Prof. Dr, Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.