Pular para o conteúdo

As Ordens Religiosas Militares da Idade Média

As ordens monásticas da Idade Média se desenvolveram a partir do desejo de viver uma vida espiritual sem as distrações do mundo. Havia também ordens militares que combinavam piedade com habilidade marcial e combate. Os mais famosos deles foram os Cavaleiros Hospitalários, os Cavaleiros Templários e os Cavaleiros Teutônicos.

 Os Hospitalários (também conhecido como Ordem dos Cavaleiros do Hospital de São João de Jerusalém) foi fundado no final da 1ª Cruzada para cuidar dos feridos, doentes e enfermos em Jerusalém. Após a cruzada, a organização se concentrou em cuidar dos peregrinos à Terra Santa e, eventualmente, tornou-se um braço militar da Igreja operando a partir da ilha de Rodes.

Os Cavaleiros Templários foram fundados em 1119 d.C. por Hughes de Payens e Bernard de Clairvaux, que co-escreveram A Regra Latina, que definia o comportamento apropriado de um cavaleiro cristão. Os Cavaleiros Templários protegiam os peregrinos à Terra Santa e desenvolveram práticas financeiras para permitir que peregrinos e cruzados facilitassem suas viagens ao exterior. Eles foram dissolvidos e sistematicamente destruídos em 1312 d.C. por iniciativa de Filipe IV da França, que estava muito endividado com eles. Foi extinta em 1312, por ordem do papa Clemente V, que determinou a passagem dos seus bens para a Ordem dos Hospitalários, com exceção dos reinos peninsulares. Em Portugal, D. Dinis procurou junto de Roma a criação de uma nova Ordem, a dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, que foi instaurada por bula de João XXII em 1.319 d.C. Esta Ordem, com regra beneditina, recebeu todos os bens que eram da Ordem do Templo, tendo sido sediada em Castro Marim (zona de fronteira com os Mouros); em 1357 a sede foi transferida para Tomar. Foi de reconhecida importância o seu papel nas conquistas e na expansão ultramarina, sobretudo pela ação do seu administrador, D. Henrique.

Os Cavaleiros Teutônicos foram uma ordem estabelecida em 1.190 d.C. para ajudar os peregrinos à Terra Santa. Eles estabeleceram hospitais e cuidaram dos doentes enquanto também atuavam como um contingente militar baseado em Acre, Reino de Jerusalém. Os cavaleiros mais tarde expandiram seus esforços para a Europa, servindo aos cristãos e à nobreza cristã como curandeiros e mercenários. Eles ficaram cada vez mais poderosos, conquistando terras para seus próprios propósitos em toda a Europa Oriental, o que os colocou em conflito com a classe dominante. Mesmo assim, eles conseguiram não apenas sobreviver, mas prosperar até o século XIX

READ  Os Cavaleiros Teutônicos

A Ordem de Calatrava foi fundada por São Raimundo, surgiu para defender a cidade fronteiriça de Calatrava contra os ataques dos mouros. Confirmada em 1.164 d.C. pelo Papa Alexandre III, estabelece-se, também em Portugal, com sede em Évora. Depois recebe como doação diversas localidades, incluindo Avis, passando os “Freires de Évora” a serem conhecidos por “Freires de Avis”. No entanto, sem data precisa, aparece a Ordem de Avis independente da de Calatrava.

Ordem de Avis. A data da criação desta Ordem é desconhecida, mas, tal como as suas congéneres, terá começado por uma associação de cavaleiros com o objetivo de combater os muçulmanos, por meados do século XII. No reinado de D. Afonso Henriques existia uma associação com o nome de Freire de Évora, integrada na Ordem de Calatrava de Castela, que recebeu do rei a doação de diversos castelos expostos aos ataques dos mouros. Em 1.211, d.C. Afonso II doou a estes freires o lugar de Avis que, mais tarde, viria a ser a sua sede. Esta Ordem seguia a regra beneditina, o hábito tinha uma cruz vermelha florenciada e na sua bandeira figuravam também duas aves. A independência da Ordem em relação a Calatrava ter-se-á dado no reinado de D. João I e, nesta altura, a cruz passou a ser verde. As dignidades da Ordem eram: Mestre, Comendador-mor, Chaveiro, Alferes-mor e Sacristão-mor. Possuía, no início do século XVIII, terras no Alto Alentejo e no Ribatejo.

A Ordem de Santiago da Espada ou simplesmente Ordem de Sant’Iago, começou como as outras, por uma pequena associação de cavaleiros para combate aos Mouros na zona de Leão. Foi oficializada por Fernando de Leão em 1.170 d.C., que lhe doou dois anos mais tarde a vila de Cáceres. A Ordem rapidamente se espalhou por Castela e Portugal, onde recebeu vários castelos a sul do Tejo. Foi confirmada por bula papal em 1.175 d.C. Com o avanço da reconquista para sul, o papel dos cavaleiros da Ordem foi de destaque e por isso receberam numerosos castelos, no Baixo Alentejo e Algarve. Entre estes castelos estava o de Palmela, no qual a Ordem, já independente da de Castela, se estabeleceu. A separação da Ordem de Castela foi muito contestada, a pesar de deferida por bula do papa Nicolau IV de 1.288 d.C. Depois destes vários documentos pontifícios confirmaram e anularam a separação. Esta, no entanto, manteve-se, e só foi confirmada definitivamente em 1452, por bula do papa Nicolau V. Os seus estatutos foram publicados em 1509, 1542 e 1548. A sua bandeira principal era vermelha com cruz de braços iguais florenciada e, mais tarde, passou a ter como único símbolo a cruz em forma de espada.

READ  A disputa hegemônica entre os Estados Unidos e a China

Fontes:

https://www.instagram.com/p/CK2DDvlDfH1/

https://ordensmilitares.wordpress.com/2018/12/03/ordens-religiosas-militares/

Tradução e Adaptação Prof. Dr. Ricardo Cabral

1 comentário em “As Ordens Religiosas Militares da Idade Média”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.