Pular para o conteúdo

Guerra das Malvinas: o Exército Britânico

A Guerra das Malvinas foi o mais importante conflito no Atlântico Sul depois da Segunda Guerra Mundial.

A Força Expedicionária Britânica enfrentou uma série de desafios operacionais pra reconquistar as ilhas.

A Esquadra britânica foi surpreendida com a audácia dos aviadores argentinos e pagou o preço. No entanto, a assimetria entre a Força Naval britânica e a Marinha Argentina, obrigou os portenhos a adotar a estratégia de “esquadra em potência”, permitindo aos britânicos exercer, com dificuldades pontuais, o controle de área marítima.

As tropas britânicas desembarcadas sofreram com as condições climáticas. O embate entre forças profissionais, bem treinadas e equipadas contra o as forças argentinas, constituídas de recrutas, mal treinadas e equipadas, foi relativamente rápida, o que não significa que foi fácil, devido a assimetria existente.

A Invasão

Em 2 de abril de 1982, o pequeno território ultramarino britânico, localizado a cerca de 300 milhas (quase 500 km) da costa leste da Argentina, foi inesperadamente lançado à consciência pública no Reino Unido.

Após décadas de disputas diplomáticas, os argentinos fizeram uma ataque surpresa e conquistaram as Ilhas Malvinas. A junta militar que governava o país esperava finalmente colocar “Las Malvinas”, como as ilhas são conhecidas na Argentina, sob o controle de Buenos Aires.

A invasão provocou uma forte reação política e da mídia no Reino Unido, o que levou a criação de uma Força-Tarefa combinada. Em 5 de abril de 1982, os primeiros elementos dessa força partiram para o Atlântico Sul para retomar as Malvinas.

A Força-Tarefa era composta por 100 navios, transportava a 3ª Brigada de Comando reforçada com 2º e 3º Batalhões, o Regimento de Pára-quedistas, juntamente com outras unidades, incluindo uma tropa reforçada do Regimento The Blues and Royals (blindados), sob o comando do Brigadeiro Julian Thompson.

https://www.planetminecraft.com/project/falklands-taskforce/

Desafios

Além da enorme distância – as Malvinas ficam quase 13.000 km do Reino Unido – o Exército também enfrentou limitações sobre quais forças poderiam ser comprometidas.

Dos 160.000 soldados do Exército regular em 1982, 55.000 estavam na Alemanha com o Exército Britânico do Reno, enfrentando a ameaça do Pacto de Varsóvia. O Teatro de Operações da Alemanha dominou o pensamento estratégico do Exército na época, influenciando a doutrina, o equipamento e os métodos de abastecimento e reforço.

A teoria predominante era que qualquer guerra seria contra o Pacto de Varsóvia, travada nas planícies do norte da Europa. A blindagem desempenharia um papel importante nisso, e quaisquer operações de infantaria seriam conduzidas em conjunto com unidades fortemente blindadas e mecanizadas. O conflito das Malvinas provou ser muito diferente.

Outras tropas estavam baseadas em Berlim, Hong Kong, Gibraltar, Belize, Brunei e Chipre. Havia também cerca de 11.000 soldados servindo na Irlanda do Norte

Reforços

Em 11 de abril, o almirante Sir John Fieldhouse, comandante geral da Força-Tarefa, concordou que uma brigada extra do Exército deveria ser disponibilizada e movida para o sul o mais rápido possível. A Grã-Bretanha tinha uma força de infantaria móvel, 1ª Brigada de Infantaria, mas esta era dedicada à Otan e não podia ser retirada.

A única força disponível era 5ª Brigada de Infantaria, composta pelos Gurkhas e Paras. No entanto, isso foi retirada para reforçar a 3ª Brigada de Comando. Foi, portanto, reforçado com a 2º Batalhão de Guarda Escocesa e 1º Batalhão de Guarda Galês que se juntou ao 1º Batalhão do 7º Regimento de Rifles Gurkha do Duque de Edimburgo.

A brigada partiu em 12 de maio a bordo do navio de cruzeiro ‘Queen Elizabeth II’, que havia sido requisitado para esse fim. O major-general Julian Moore assumiria o comando da campanha terrestre assim que esta segunda brigada chegasse ao teatro.

https://special-ops.org/the-two-special-forces-fought-in-falklands-war/

Forças especiais

Antes da 5ª Brigada de Infantaria deixar o Reino Unido, as Forças Especiais Britânicas já estavam envolvidas. Entre 21 e 25 de abril, o Esquadrão ‘D’ do 22º Special Air Service (SAS), juntamente com uma seção do Special Boat Service (SBS) e a Companhia ‘M’ do 42} Regimento de Comandos, recapturaram a ilha da Geórgia do Sul. Na época, isso fazia parte das dependências das Ilhas Malvinas.

A próxima grande tarefa era começar o reconhecimento das posições e capacidades argentinas nas próprias Malvinas. Três semanas antes dos principais desembarques, assim que a Força-Tarefa estava dentro do alcance do helicóptero, SBS e o Esquadrão ‘G’ do SAS foram infiltrados nas Ilhas.

Fortemente carregados com todos os suprimentos de que precisariam, as patrulhas de quatro homens do Esquadrão ‘G’ tiveram que navegar em terreno sem cobertura. Eles tiveram que se deslocar à noite e se abrigaram camuflados durante todo o dia para evitar serem detectados. Era uma questão de observar e esperar.

Essas patrulhas foram capazes de convocar ataques aéreos às posições argentinas. Uma patrulha ainda conseguiu se esconder no ‘Lady Elizabeth’, um navio naufragado em Stanley Harbour, de onde podiam observar os movimentos aéreos e de navios inimigos. À medida que a campanha continuou, mais patrulhas de combate foram realizadas. Na noite de 14 de maio, 45 soldados do Esquadrão ‘D’ do SAS, com apoio de fogo da 148º Bateria e do 29º Commando Royal Artillery, atacaram o aeródromo argentino em Pebble Island e destruíram 11 aeronaves. Os soldados do SAS também desempenhariam um papel importante no combate aos esforços argentinos para reforçar as alturas do Monte Kent antes da chegada dos 42º Comando do Royal Marines.

https://www.britannica.com/event/Falkland-Islands-War

Desembarque

Em 21 de maio, as unidades da 3ª Brigada de Comandos, incluindo 2º e 3º Batalhões Paraquedistas, foram desembarcadas com sucesso em East Falkland e em torno de San Carlos Water. A partir daí, eles assumiram posições defendendo a cabeça de ponte enquanto os britânicos se consolidavam.

READ  A Passagem de Tonelero

Durante este período, a Marinha Real continuou a sofrer baixas de ataques aéreos argentinos, perdendo vários navios. A pressão política crescia em Londres. O plano original de Thompson era avançar pelo norte de East Falkland em direção a Port Stanley. No entanto, devido a perda de navios, o Gabinete estava ansioso por uma vitória para aplacar as críticas internas.

Moore emitiu instruções para que Thompson ganhasse o domínio moral e físico sobre o inimigo. O alvo significativo mais próximo de Thompson e da cabeça-de-ponte era a guarnição argentina em Darwin e Goose Green, vários quilômetros ao sul. Este é o lugar onde a primeira grande batalha terrestre da campanha seria travada.

Goose Green

De uma perspectiva puramente militar, a razão para atacar esses assentamentos não era clara. Havia uma pista de pouso, de onde os argentinos poderiam ter interferido nas operações em San Carlos, e a guarnição ali também poderia avançar para atacar a cabeça de praia. No entanto, parecia haver pouca iniciativa argentina para tal atividade.

Como tal, um ataque contundente parecia sensato, dada a preferência por um eixo de avanço do norte e as dificuldades em obter apoio de fogo adequado para a ofensiva. Em 23 de maio, foi para isso que o tenente-coronel Herbert ‘H’ Jones, comandante do 2º Batalhão Paraquedista, foi instruído a preparar seu batalhão.

As más condições climáticas, levaram ao cancelamento do ataque. Mas, com Moore e Thompson estavam sob pressão de Londres, um ataque total foi finalmente ordenado.

O Plano

Jones ficou imediatamente limitado nas escolhas que tinha disponíveis. Uma aproximação marítima e um ataque anfíbio ao Brenton Loch foram inadequados devido às posições argentinas. E, em 25 de maio, a Força-Tarefa havia perdido praticamente todos os seus helicópteros, exceto um Chinook de carga pesada, quando o ‘Atlantic Conveyor’ foi atingido por um míssil Exocet.

Então teria que ser uma marcha noturna até a linha de partida com canhões de 105mm e munições movidas por helicóptero; um processo lento e trabalhoso.

Jones formulou um plano de seis fases. O apoio de fogo deveria ser fornecido pelos canhões de 105 mm do HMS ‘Arrow’ e ataque aéreo Harrier durante o dia, se necessário. Mas Jones não recebeu apoio blindado, pois Thompson achava que os veículos poderiam atolar entre San Carlos e Darwin. O objetivo era atingir os argentinos com força, para que eles quebrassem após um ataque direto.

Ação Vitoria Cross

A batalha começou às 2h30 de 28 de maio. Mas a primeira fase, que deveria ser silenciosa, não durou muito, pois os pára-quedistas esbarraram com posições argentinas em lugares inesperados.

Às 3h14, o canhão do HMS ‘Arrow’ cessou fogo com uma falha. O ataque parou na base de Darwin Hill. Então, às 9h30, Jones decidiu liderar o ataque a Darwin Hill ele mesmo. Ele foi morto atacando uma trincheira de fenda junto com o ajudante do batalhão, Capitão David Wood, e outros. Jones mais tarde foi premiado com a Victoria Cross (VC) por sua bravura.

O assalto continuou com ferozes combates de trincheira a trincheira. Os paraquedistas desceram o istmo, aproximando-se da aldeia de Goose Green. Mas foi preciso mais um dia de luta, devido a capacidade de avanço dos paraquedistas limitada pela falta de cobertura e da artilharia argentina. Até o fim do dia, toda a península, menos o assentamento de Goose Green, havia sido tomada. As negociações com os argentinos levaram sua rendição no dia seguinte.

Os britânicos obtiveram uma vitória significativa, embora não sem custos. Dezoito mortos, mais de 60 feridos e um helicóptero perdido na tentativa de evacuação dos feridos.

Avanço para Porto Stanley

Em 30 de maio, o major-general Jeremy Moore, dos Royal Marines, chegou a San Carlos com o brigadeiro Tony Wilson e a 5ª Brigada de Infantaria, e imediatamente decidiu colocar o 2º Batalhão Paráquedista sob o controle do Brigadeiro Wilson, comandate da 5ª Brigada de Infantaria. Isso deixou a defesa do perímetro de San Carlos nas mãos de 40º Comando dos Royal Marines.

A questão premente era como avançar e capturar Porto Stanley, principalmente antes do início do inverno. Moore queria continuar com o ataque o mais rápido possível. Mas seus dois comandantes de brigada diferiam em sua avaliação da situação.

Thompson defendeu a tomada da linha de montanha fora de Port Stanley, particularmente aquelas ao longo do flanco norte. Wilson queria atacar com todas as forças em uma frente estreita no Monte Harriet, no sul, abrindo caminho para um ataque no perímetro interno.

https://www.newstatesman.com/culture/2019/01/the-falklands-war-revisited

Linha de montanha

Moore acreditava que um ataque frontal estreito exporia suas forças ao fogo direto do terreno alto não subjugado. Ele também estava ciente de que os argentinos estavam se concentrando em um avanço da frente sul.

Ele, portanto, adotou o plano do Brigadeiro Thompson, comandante da 3ª Brigada de Comandos dos Royal Marines, e ordenou a captura da linha da montanha, mas o adaptou. A 3ª Brigada de Comandos avançaria pelo norte de East Falkland, com a 5ª Brigada de Infantaria avançando no sul.

Isso manteria os argentinos confusos quanto à real linha de ataque e os impediria de reforçar suas posições. As elevações-chave poderiam então ser tomadas em um ataque em duas frentes. Mas os desafios logísticos de apoiar ambas as brigadas eram consideráveis.

Como 2º Batalhão Paráquedista estava atacando Darwin e Goose Green, 3º Batalhão Paráquedista já havia começado seu avanço a pé da cabeça de ponte em San Carlos Water. Primeiro, eles seguiram para Teal Inlet e de lá para Estancia House, em preparação para as batalhas finais por Stanley. Mas mais ao sul, uma aposta audaciosa estava prestes a fracassar.

READ  Batalha das Ilhas Falklands (1914)

Fitzroy e Bluff Cove

Como parte do eixo sul de avanço, 2º Batalhão Paráquedista – substituído em Goose Green pelos Gurkhas – avançou para ocupar a Swan Inlet House. Encontrando-o livre dos argentinos e usando o telefone fixo civil comum para Fitzroy para verificar se também estava livre dos argentinos, eles avançaram novamente e assumiram posições em torno de Bluff Cove.

Com a aprovação de Wilson, o flanco sul foi empurrado para frente com grande surpresa e nenhuma perda, mas com muito risco. A posição teve que ser reforçada, mas o resto da 5ª Brigada de Infantaria ainda estava em San Carlos e na Baía de Ajax.

Esforços para trazer os Guardas Escoceses e os Guardas Galeses foram prejudicados pelo mau tempo e pela falta de navios e embarcações de desembarque. Na manhã de 8 de junho, os Guardas Escoceses desembarcaram em Bluff Cove, e dois navios auxiliares da frota real – o ‘Sir Tristram’ e o ‘Sir Galahad’ – levaram os Guardas Galeses, 16 ambulâncias de campo, elementos da Bateria “T” 12º Regimento de Defesa Aérea e provisões vitais para Fitzroy. Foi um dia claro. A base de nuvens que cobria as ilhas e a limitada atividade aérea argentina havia se dissipado.

Descarregar os navios era um processo lento e confuso. Havia apenas um helicóptero presente, ocupado por muito tempo descarregando o kit Rapier, que exigiu 18 viagens. O ‘Sir Tristram’ acabou sendo descarregado. A atenção então se voltou para ‘Sir Galahad’, que ainda mantinha duas companhias de guardas e estava em Fitzroy cinco horas sem atividade significativa.

Ataque aéreo

Às 13h10, quatro jatos argentinos chegaram e bombardearam os dois navios. O combustível para os geradores Rapier em ‘Sir Galahad’ explodiu. Trinta e dois guardas galeses, 5 tripulantes da RAF e 11 outros membros do Exército foram mortos. Cerca de 115 foram gravemente queimados e feridos. Foi o pior caso de perda de vidas na guerra para os britânicos.

As câmeras da BBC gravaram imagens de helicópteros da Marinha Real pairando na fumaça espessa para guinchar os sobreviventes dos navios de desembarque em chamas, ou usar o empuxo de seus rotores para levar botes salva-vidas à costa. Essas imagens foram vistas em todo o mundo – embora não no Reino Unido até depois da rendição argentina devido à censura britânica.

O general Mario Menéndez, comandante argentino nas ilhas, foi informado de que centenas de homens foram mortos. Ele, portanto, esperava uma queda no moral britânico e que seu avanço diminuísse.

Batalha pelas montanhas

No rescaldo de Fitzroy, Moore reorganizou suas forças. Ele transferiu 2º Batalhão Paráquedista e o que sobrou do 1ª Regimento de Guarda Galesa, complementada por duas companhias de 40º Batalhão de Comandos para compensar as perdas, de volta à brigada de Thompson.

Após as experiências em Goose Green, tanto Moore quanto Thompson dedicaram muita atenção ao plano de incêndio. Eles avançaram o máximo de munição possível e também planejaram cuidadosamente tiros navais. Todos os ataques também seriam feitos à noite.

Quase 12.000 granadas de munição de 105 mm foram trazidos para a primeira fase, e quatro navios de guerra foram alocados para apoio de fogo. As próximas 48 horas veriam o destino da campanha decidido.

Longdon

Primeiro, na noite de 11 para 12 de junho, 3º Batalhão de Paráquedistas atacou posições bem preparadas no Monte Longdon. A surpresa foi perdida quando os paraquedistass avançando acionaram uma mina, e uma luta dura e cruel se seguiu. O sargento Ian McKay ganhou uma Vitoria Cross póstuma por sua bravura em reunir e atacar uma posição de metralhadora.

A dificuldade era que a montanha tinha um cume falso, o que significava lutar em uma série de cristas. Havia também pequenas frestas e posições abrigadas escondidas, para que os argentinos pudessem manter a resistência, apesar de uma onda de paráquedistas passar por cima deles.

No momento em que o monte foi garantido, 3º Batalhão de Paráquedistas havia perdido 23 homens, tornando-se a batalha mais cara da guerra para os britânicos. Cinquenta argentinos foram mortos e outros 50 feitos prisioneiros.

Wireless Ridge

Ao mesmo tempo que o ataque de Longdon, 45º Batalhão de Comandos capturaram Two Sisters e 42º Batalhão de Comandos capturaram Mount Harriet. O anel externo das posições defensivas argentinas estava agora em mãos britânicas.

Moore queria manter o ímpeto e continuar as operações na noite seguinte com a 5ª Brigada de Infantaria. Mas os Guardas Escoceses ainda estavam em Bluff Cove quando a noite se aproximava. Enviá-los para a frente via transporte aéreo, no escuro, e depois fazê-los lutar por terrenos que não haviam reconhecido para atacar a posição de Tumbledown, e tudo sem apoio de artilharia adequado, era muito arriscado. O brigadeiro Wilson solicitou um atraso de 24 horas, que Moore concedeu. Desta vez houve a oportunidade de realizar o reconhecimento, concentrar munição de artilharia para apoio de fogo e preparar o batalhão para o ataque.

Na noite de 13 para 14 de junho, as operações continuaram. O 2º Batalhão Paráquedista foi encarregado de tomar Wireless Ridge, um recurso a leste de Longdon que só poderia ser tomado se 3º Batalhão Paráquedista tivesse garantido seu objetivo. Em contraste com Goose Green, 2º Batalhão Paráquedista recebeu muito mais apoio de fogo. HMS ‘Ambuscade’, duas baterias de canhões de 105 mm, 2 carros blindados de reconhecimento Scorpions e 2 Scimitars, os morteiros do 3º Batalhão Paráquedista, e ataques divisionários do SAS e SBS foram todos usados.

READ  Unidade 731: o local dos maiores terrores cometidos pelo Japão na Segunda Guerra Sino-Japonesa

Os dispositivos de visão noturnas dos blindados se mostraram muito úteis para identificar as posições argentinas, e a primeira parte do cume foi rapidamente invadida. Os blindados chegaram ao topo do cume e começaram a atirar na segunda posição. A parte final do segundo cume mostrou-se difícil, mas os argentinos acabaram sendo desalojados.

O 2º Batalhão Paráquedista, a única unidade a combater duas ações de nível batalhão no conflito, conquistou o objetivo ao custo de três mortos e 11 feridos. Cerca de 100 argentinos foram mortos e 17 capturados.

Desmoronamento

Ao mesmo tempo em que os paráquedistas estavam tomando Wireless Ridge, os 2º Regimento de Guardas Escoceses estavam lançando seu ataque ao Monte Tumbledown. As defesas argentinas estavam ancoradas nessa posição, e foi a chave para desbloquear a abordagem à Porto Stanley.

Em face dos ventos fortes e da neve, os homens escalaram os afloramentos rochosos sob fogo pesado. Foi uma luta árdua, com alguns exemplos notáveis de liderança para motivar a Guarda a continuar seu avanço. Nove homens foram mortos e 43 feridos.

Engajamentos finais

Os atrasos na tomada de Tumbledown significaram que o 1º/7º Gurkhas não conseguiu avançar para o Monte William no escuro. Quando o sol nasceu na manhã seguinte, os Gurkhas foram vistos ao ar livre, perto de seu objetivo, foram bombardeados.

Com o amanhecer, os britânicos começaram os preparativos para outra batalha noturna, mas continuaram a assediar todo o movimento argentino com fogo de artilharia pesado. De seus pontos de vista elevados, os britânicos começaram a perceber que as tropas inimigas estavam se afastando em direção a Porto Stanley e começaram a segui-los.

45º Batalhão de Comandos avançou até Sapper Hill, a apenas um quilômetro e meio de Porto Stanley, mas os campos minados os cercaram. Os britânicos estavam às portas da capital.

Rendição

Nos dias que antecederam as batalhas pelas montanhas ao redor de Stanley, os britânicos estavam realizando uma operação psicológica contra os argentinos, usando uma frequência de rádio aberta para convocá-los a se render. Na manhã de 14 de junho, era óbvio para Menéndez que os argentinos não poderiam continuar a luta.

Um cessar-fogo foi declarado e Moore entrou em Porto Stanley para aceitar a rendição às 21h30. Tendo vivido no campo desde que chegou, ele era uma figura visivelmente diferente do Menéndez imaculadamente acabado.

Os britânicos se mantiveram firmes em suas posições durante a noite, em vez de avançar para a cidade no escuro. Na manhã seguinte, 15 de junho, os paraquedistas e fuzileiros navais reais chegaram para começar a desarmar os argentinos e transferi-los para o aeroporto.

Consequências

Após a captura de Stanley, outras operações foram lançadas para levar a rendição de outras tropas argentinas em West Falkland. Os Royal Marines do HMS ‘Endurance’ também limparam as posições do inimigo nas Ilhas Sandwich do Sul e do Sul de Thule.

Um total de 255 militares britânicos e três civis do sexo feminino foram mortos ao libertar as Malvinas. 649 argentinos foram mortos.

Repatriar prisioneiros de guerra argentinos (POWs) foi um processo longo. Cerca de 5.000 prisioneiros foram embarcados em ‘Canberra’ e 1.000 em ‘Norland’ em 17 de junho. Até 20 de junho, 10.250 prisioneiros foram repatriados.

Apenas 593 permaneceram, incluindo Menéndez. Estes foram mantidos para coleta de inteligência e para encorajar a Argentina a encerrar as hostilidades. Os últimos prisioneiros foram repatriados em 14 de julho.

Voltando para casa

As primeiras unidades a retornar das Malvinas foram 2º e 3º Batalhões Paráquedistas, que partiram embarcados no ‘Norland’ e ‘Europic’ em junho. Eles navegaram para a ilha de Ascension e depois voaram de volta para o Reino Unido. A 5ª Brigada de Infantaria permaneceu nas funções de guarnição antes de serem substituídos.

Os Guardas Escoceses mudaram-se para a Baía de Ajax e vigiaram prisioneiros de guerra, antes de se mudarem novamente para Port Howard em West Falkland, onde viveram em barracas. Eles foram as últimas unidades do Exército a deixar as Malvinas quando navegaram em ‘Norland’ em 19 de julho para a Ascensão.

Legado

Antes da guerra, a popularidade da Sra. Thatcher estava em baixa. Mas a vitória nas Malvinas ajudou a garantir uma vitória conservadora nas eleições gerais de 1983.

A junta da Argentina havia apostado tudo em uma vitória popular, mas agora enfrentava a humilhação. O ditador do país, general Leopoldo Galtieri, foi forçado a renunciar três dias depois que suas forças se renderam. A democracia foi restaurada na Argentina em 1983, após a queda do desacreditado regime militar. Até o momento, a Argentina não desistiu de sua reivindicação às Malvinas.

Os ilhéus das Malvinas conquistaram um compromisso com sua soberania que qualquer futuro governo teria coragem de questionar. O investimento econômico e uma presença militar muito maior também se seguiram. Quase 40 anos depois, a Grã-Bretanha ainda mantém uma força nas ilhas.

“O significado da Guerra das Malvinas foi enorme, tanto para a autoconfiança da Grã-Bretanha quanto para nossa posição no mundo. Desde o fiasco de Suez, em 1956, a política externa britânica tinha sido um longo recuo. A vitória nas Malvinas mudou isso.

Margaret Thatcher, ‘Os anos de Downing Street’, 1993

Imagem de Destaque: https://www.businessinsider.com/pictures-from-the-falklands-war-2012-4

Fonte

https://www.nam.ac.uk/explore/british-army-and-falklands-war

https://ndupress.ndu.edu/Portals/68/Documents/jfq/jfq-67/JFQ-67_101-106_Bell.pdf

https://www.fireandfury.com/orbats/falklands_great_britain.pdf

https://www.quora.com/Was-it-critical-to-have-the-capabilities-of-the-Royal-Marines-and-Parachute-regiment-to-win-the-Falklands-Would-the-use-of-other-British-infantry-regiments-been-a-plausible-solution

https://www.gurkhabde.com/on-this-day-in-1982-argentinian-troops-invaded-the-falkland-islands/

https://www.planetminecraft.com/project/falklands-taskforce/

Tradução e adaptação Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.