Pular para o conteúdo

Os Cavaleiros Teutônicos

Um cavaleiro teutônico medieval era um membro do exército católico da Ordem Germânica (Alemã) ou da Ordem Teutônica, fundado oficialmente em março de 1198. A primeira missão dos cavaleiros teutônicos foi ajudar a retomar Jerusalém dos árabes na Terceira Cruzada (1187-1192).

A Terceira Cruzada foi convocada pelo Papa Gregório VIII após a captura de Jerusalém em 1.187 por Saladino, o sultão do Egito e da Síria. Embora liderado pela nata da nobreza da Europa, o projeto foi assolado por problemas, como a morte acidental no caminho para a Terra Santa, do Imperador Frederico I Barbarossa, do Sacro Império Romano Germânico. A morte prematura de Barbarossa resultou no retorno para a Germânia (atual Alemanha e Áustria) da maior parte de seu exército. Mas alguns cavaleiros alemães seguiram com os cruzados e ajudaram no cerco de Acre, que terminou em julho de 1.191.

Apesar de outros sucessos, os cruzados só conseguiram avistar Jerusalém e nenhuma tentativa foi feita para atacar a cidade santa. Em vez disso, foi negociado o controle de uma pequena faixa de terra ao redor do Acre e o futuro tratamento seguro dos peregrinos cristãos à Terra Santa.

No Acre, em 1190, um corpo de cavaleiros alemães fundou um hospital de campanha (como seus concidadãos fizeram em Jerusalém no século XII d.C.) dedicado a Santa Maria. Em março de 1.198, o Papa Inocêncio III concedeu a seus membros o status de uma ordem militar independente sob o nome Fratres Domus hospitalis sanctae Mariae Teutonicorum (Irmãos do Hospital Alemão de Santa Maria). Assim nasceu a organização que mais tarde se tornaria mais conhecida como Ordem Teutônica e seus membros como cavaleiros teutônicos. Como outras ordens militares do período medieval (por exemplo, os Cavaleiros Templários e os Cavaleiros Hospitalários), era uma combinação de dois modos de vida: cavalaria e mosteiro.

A ordem adquiriu terras em partes do Oriente Médio controladas pelos cruzados e estabeleceu um punhado de castelos, especialmente ao redor do Acre. Essencialmente, a ordem foi criada para defender as conquistas dos Cruzados. Além disso, a ordem tinha terras na Cilícia graças à sua estreita relação com os armênios que os viam como um contrapeso aos Cavaleiros Templários. A sede da ordem foi estabelecida na fortaleza de Montfort (Qal’at Qurain) nas colinas da Galiléia, nordeste de Acre, com os cavaleiros teutônicos renomeando o castelo Starkenberg. A ordem tinha duas fortalezas importantes no leste da Cilícia e iria conquistar cada vez mais terras, incluindo territórios na Grécia, Itália e Europa Central.

READ  As Ordens Religiosas Militares da Idade Média

A ordem ganhava renda com o saque obtido na guerra e nos territórios capturados, mas também havia um fluxo significativo e regular de fundos do comércio e aluguéis de terras, bem como doações que podiam ser na forma de dinheiro, bens ou terras.

Um mapa indicando as comendas e territórios sob o controle da Ordem Teutônica 1.300

A ordem era liderada por um Grão-Mestre (Hochmeister) escolhido por um colégio eleitoral e que deveria consultar seus oficiais superiores e comandantes. No século XV, havia um segundo mestre na Livônia que se tornou cada vez mais independente da ordem baseada em sua então sede na Prússia. Às vezes acontecia que um mestre era expulso por seus oficiais, de fato houve um caso de assassinato de um mestre particularmente impopular. A ordem controlava muitas terras na Europa e no Oriente Médio, os territórios se espalhavam pelas províncias administrativas ou balleien, cada uma governada por um landmeister.

A maioria dos recrutas para os muitos castelos-convento espalhados pelo território teutônico eram germânicos, vindos da Francônia e da Turíngia, do Reno e de outros territórios alemães. Os cavaleiros (ritter) ou irmãos, tipicamente aristocratas, embora geralmente membros dos escalões inferiores, estavam espalhados por muitas comendas contendo de 10 a 80 membros. Como em outras ordens militares, os recrutas faziam votos monásticos de pobreza, castidade e obediência. A motivação para participar incluía as recompensas na próxima vida prometidas para aqueles que faziam cruzadas em nome de Deus, a chance de aventura e promoção e até mesmo refeições regulares e um lugar para dormir.

Os colonos alemães podiam entrar na ordem, mas geralmente apenas como padres ou servindo meio-irmãos (halb-brüder). Cada castelo-convento também teria um contingente de besteiros locais e não-combatentes, como servos e artesãos. Finalmente, os cavaleiros estrangeiros não eram desconhecidos, pois a ordem era oficialmente internacional, embora a maioria dos recrutas viesse de terras alemãs.

Uma pintura do século 19 d.C de Carl Steffeck representando cavaleiros teutônicos entrando no castelo prussiano de Marienburg.

A Ordem Teutônica foi formada para ajudar os cristãos em suas peregrinações à Terra Santa e estabelecer hospitais. Seus membros têm sido comumente conhecidos como os Cavaleiros Teutônicos, tendo uma pequena adesão militar voluntária e mercenária, servindo como uma ordem militar cruzada para a proteção dos cristãos na Terra Santa e no Báltico durante a Idade Média.

READ  A Cruzada Germânica ou do Imperador (1197-1198 d.C.)

A Ordem Teutônica era, acima de tudo, famosa por seus cavaleiros bem treinados e bem armados, bem como por suas robustas fortalezas de pedra. Os cavaleiros teutônicos usavam cruzes pretas sobre fundo branco ou com borda branca. Essas cruzes podem aparecer em escudos, túnicas brancas, capacetes e flâmulas. Meio-irmãos usavam cinza em vez do branco completo reservado para cavaleiros.

Os cavaleiros teutônicos tinham que seguir muitas regras estritas, mais do que em outras ordens militares. Barbas eram permitidas, mas não cabelos compridos e qualquer roupa ou equipamento ostensivo era desaprovado. Os cavaleiros não tinham permissão para dinheiro ou bens pessoais, mesmo suas roupas limitadas não podiam ser mantidas em um baú trancado. Ao contrário de outras ordens, antes do século XV, os cavaleiros teutônicos não usavam selos pessoais e monumentos funerários. Brasões pessoais eram proibidos. Os cavaleiros não podiam competir em torneios medievais, não se misturavam socialmente com outros tipos de cavaleiros e não podiam se envolver na maioria dos tipos de caça. O tédio poderia ser controlado pelo único hobby que era permitido: escultura em madeira.

A maior derrota da Ordem Teutônica em 1.244, quando o Reino de Jerusalém caiu para o sultão aiúbida do Egito. Na Batalha de La Forbie (também conhecida como Batalha de Hiribya) perto de Gaza, foram mortos 437 dos 440 cavaleiros teutônicos. A batalha foi travada entre os exércitos aliados (Reino de Jerusalém, as ordens cruzadas e os aiúbidas separatistas de Damasco, Homs e Kerak) e o exército egípcio do sultão aiúbida as-Salih Ayyub, reforçado com mercenários khwarezmianos.

Em 1.271, os mamelucos do Egito e da Síria capturaram a fortaleza de Montfort, removendo efetivamente a influência teutônica no Oriente Médio, embora tenham se mantido em uma nova sede em Acre até a queda da cidade em 1.291, novamente para os mamelucos. Sob um novo Grão-Mestre, Conrad von Feuchtwangen, a ordem mudou-se para Veneza. Então, em 1.309, sob o novo mestre Siegfried von Feuchtwangen, a sede foi transferida novamente, desta vez para um convento fortificado em Marienburg, na Prússia. Este foi um local mais prático para o abandono da ordem dos assuntos do Oriente Médio e seu foco no norte e centro da Europa, onde os cavaleiros já estavam em campanha (Hungria na primeira década do século XIII e Prússia de 1.228.

READ  Os Templários

Ao longo dos séculos XIII e XIV, os cavaleiros teutônicos católicos fizeram cruzadas na Prússia e na região do Báltico principalmente contra lituanos pagãos e russos ortodoxos, mas como a ordem estava voltada para a expansão por si só, muitas outras nacionalidades foram combatidas ao lado dessas. O território há muito disputado entre a Prússia e a Livônia era um terreno de caça particularmente feliz, e os cavaleiros teutônicos acabaram governando toda a Prússia.

Houveram várias revoltas dos prussianos sob o domínio teutônico, principalmente em 1.260, e as guerras eram selvagens. Também houve sérios reveses militares, principalmente para os russos no Lago Peipus em 1.242. A ordem também não era isenta de controvérsia, recebendo acusações de políticas menos cristãs em relação a outros crentes. Os Cavaleiros Teutônicos foram acusados ​​de massacrar cristãos na Livônia, destruir igrejas seculares, impedir conversões e negociar com pagãos. De fato, foi dito que muitos pagãos na Europa central resistiram à cristianização apenas porque não queriam viver sob a ameaça dos Cavaleiros Teutônicos. Em 1.310 d.C., o Papa iniciou uma investigação, mas não deu em nada, e a ordem resistiu aos danos à sua reputação. Houve também algum reconhecimento de que os rumores estavam sendo espalhados pelos rivais e inimigos da ordem.

A ordem teutônica foi bem-sucedida em conquistar novos territórios, notadamente Danzig e a Pomerânia Oriental em 1.308 e o norte da Estônia em 1.346. Houve uma grande vitória contra os lituanos, e o prestígio das campanhas da ordem na Prússia e na Livônia atraiu nobres de toda a Europa, incluindo o futuro Henrique IV da Inglaterra. No entanto, quando os lituanos se converteram formalmente ao cristianismo em 1.389, o ideal da cruzada perdeu seu propósito. Depois disso, ficou claro que os Cavaleiros Teutônicos estavam mais interessados ​​em política e saques, em vez de conversão, à medida que as guerras continuavam. Quando os lituanos e poloneses uniram forças com os russos e mongóis, juntamente com vários outros estados aliados menores, a Ordem Teutônica foi ameaçada de extinção.

Fonte:

https://www.instagram.com/p/CYrqpOwP17-/

https://www.instagram.com/p/CYuOCniv6wI/

https://www.instagram.com/p/CY1793gvEiw/

https://www.instagram.com/p/CY4fsvUvKUZ/

https://www.instagram.com/p/CY7JBwxPjXr/

https://www.instagram.com/p/CY9p2sUPQa7/

Tradução e adaptação Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.