Os Estados Unidos, China e Taiwan

de

Profº. Dr. Ricardo Pereira Cabral

É importante salientar que a China considera Taiwan/Formosa parte da China e não aceita a independência da ilha, ocupada por nacionalistas, liderados por Chiang Kai-shek, em 1949, após ser derrotado na guerra civil pelos comunistas de Mao Tse-tung. Desde então Formosa recebeu investimentos norte-americanos e até mesmo da China continental. Atualmente a ilha se transformou em importante polo tecnológico e grande produtor de microchips.

As Forças Armadas de Taiwan não são páreo para Beijing, que constantemente faz demonstrações de forças e ameaças a Taipé. Mesmo a posição dos norte-americanos em defesa da ilha é questionável, pois até onde estão dispostos a ir para manter a independência de Taiwan? Se ariscariam a uma guerra nuclear ou a expor seus porta-aviões a robusta cobertura A2/AD e aos meios defensivos chineses?

Por outro lado, um ataque chinês pode destruir a economia local, com poderosos reflexos na economia chinesa, pois poderia prejudicar ou mesmo incapacitar a indústria local de produzir os componentes eletrônicos, em especial, os microchips, que são vitais para a economia da China e dos Estados Unidos.

Drago Bosnic fez uma análise geopolítica sobre o posicionamento dos Estados Unidos em relação ao posicionamento da China com Taiwan.

Bosnic afirma que os EUA pretendem prender a China no conflito perpétuo por Taiwan, sem obter uma solução satisfatória. Então vamos ao artigo.

“Durante décadas, Taiwan, um lugar a apenas 160 km do continente chinês, tem sido intermitentemente o ponto de discórdia entre o gigante asiático e o Ocidente político, particularmente os Estados Unidos, um país a quase 11.000 km da ilha. Desde 1949, Taiwan é autogovernada e, embora tenha atributos de um estado soberano, as Nações Unidas, quase todo o mundo, juntamente com todo o Ocidente político, incluindo os próprios EUA, reconhecem a ilha como parte inalienável da China. Pequim tem sido extremamente tolerante ao longo das décadas, oferecendo inúmeros benefícios para a população predominantemente chinesa da ilha.

Taiwan desfrutou de um enorme boom econômico como resultado de seu relacionamento com a China continental, tornando-se uma das áreas mais ricas da região da Ásia-Pacífico. Pequim nunca insistiu em (re)integrar completamente a ilha no seu sistema de governação, oferecendo, em vez disso, um estatuto não muito diferente do que Hong Kong (ou Macau) tem na República Popular da China. A ideia é tornar a (re)integração o mais indolor possível, sem interrupções no cotidiano dos moradores de Taiwan. A China certamente tem capacidade militar para (re)tomar a ilha à força, mas para Pequim, este é o último recurso absoluto, que está tentando evitar.

https://exame.com/mundo/eua-fazem-exercicio-militar-em-taiwan-apos-china-testar-missil/

No entanto, os EUA sempre beligerantes têm outros planos. Vendo os “benefícios” da crise ucraniana, Washington parece estar determinado a pressionar por mais um conflito que mudará o mundo, mas desta vez envolveria a China. Tal conflito não teria apenas consequências de segurança potencialmente graves, mas também devastaria a economia global. No entanto, as elites políticas dos EUA, nem querem considerar uma solução fora do escopo que neutralizaria a volátil situação.

Durante os estágios iniciais da (Primeira) Guerra Fria, os EUA, seus aliados e estados clientes regionais tinham uma postura decididamente anti-Pequim. Na época, Pequim não conseguiu lançar uma operação em larga escala para (re)tomar a ilha, pois havia estabelecido a paz no país apenas em 1949, mais de uma década após a invasão japonesa e, posteriormente, a guerra civil entre os comunistas e forças nacionalistas. Na década de 1970, houve um degelo nas relações EUA-China, com o governo Nixon buscando estabelecer laços mais próximos para combater o então incomparável e crescente poder da URSS. O governo de Pequim foi finalmente reconhecido como o único legal, efetivamente congelando a questão de Taiwan, já que os próprios EUA começaram oficialmente a aderir à política de “Uma China” desde então.

Após o fim da (Primeira) Guerra Fria, os EUA mudaram sua postura. Desde o início dos anos 1990, Taiwan voltou a ser um ponto de discórdia. Com uma pausa estratégica, relativamente curta, durante o início dos anos 2000, enquanto os EUA estavam ocupados saqueando e destruindo o mundo em outros lugares, em particular no Oriente Médio, Taiwan tornou-se cada vez mais importante no final dos anos 2010. Os navios de guerra da Marinha dos EUA (re) iniciaram seu trânsito mais frequente pelo Estreito de Taiwan, navegando do leste para o Mar da China Meridional várias vezes ao ano, com média de pelo menos uma viagem por mês a partir de 2020. Até agora, em 2022, realizou pelo menos cinco trânsitos, segundo dados compilados pela Bloomberg. Os EUA insistem que isso está de acordo com a lei internacional (sim, chama-se “passagem inocente”, prevista nas leis internacionais).

https://www.tsf.pt/mundo/china-acusa-eua-de-provocacao-apos-passagem-de-navio-de-guerra-no-estreito-de-taiwan-14630935.html

“O Estreito de Taiwan é uma via navegável internacional onde a liberdade de navegação e sobrevoo são garantidas pela lei internacional”, disse o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, por e-mail. “Os Estados Unidos continuarão a voar, navegar e operar onde quer que a lei internacional permita, e isso inclui transitar pelo Estreito de Taiwan”.

Embora seja verdade que navegar pelo Estreito de Taiwan tecnicamente não viola a lei internacional, cria tensões desnecessárias, pois a hidrovia não é de importância estratégica crucial para os EUA, mas certamente é para a China. Além das incursões da Marinha dos EUA na esfera de influência da China, tanto no Leste quanto no Mar da China Meridional, Washington também está armando ativamente o governo em Taipei. Isso representa um perigo direto e claro para as tropas chinesas do outro lado do Estreito. E enquanto o Exército de Libertação Popular supera amplamente as forças da ilha, as entregas de armas dos EUA a Taipei estão minando diretamente os esforços da China para resolver a questão de Taiwan pacificamente.

O objetivo estratégico dos EUA é limitar e minar o poder e a influência da China na região. Com Taiwan nas garras do Ocidente, particularmente dos EUA, a projeção de poder da China permanece amplamente confinada às áreas costeiras, enquanto Washington consegue manter seu controle até agora inigualável sobre a maior parte da região Ásia-Pacífico. A China, que vem construindo uma das maiores e mais poderosas Marinhas do mundo, está se tornando mais assertiva e determinada a empurrar a potência beligerante em declínio para longe de suas costas. Vendo o que está acontecendo ao redor do mundo, como na Ucrânia nos últimos anos, mas especialmente nos últimos 4 meses, a China está totalmente ciente da influência maligna dos EUA, que agora está efetivamente sacrificando um estado cliente após o outro para manter sua proximidade geopolítica. rivais de pares ocupados, enquanto tentam resolver vários problemas internos e evitar, ou pelo menos retardar seu declínio implacável”.

https://bonifacio.net.br/a-china-e-a-nova-rota-da-seda/

Considerações parciais

A Questão de Taiwan está inserida no grande jogo geopolítico disputado por China e Estados Unidos pela hegemonia mundial.

Os Estados Unidos atualizaram sua Política de Contenção, agora com o foco na China, para tanto tem se utilizado de alianças com potenciais rivais chineses como Vietnã e Índia, por exemplo, e aliados tradicionais como o Japão, Coreia do Sul e Austrália que se sentem ameaçados pelo crescente poderio militar chinês. Além de tentarem influenciar a Asean a adotarem medidas restritivas aos chineses. A Marinha dos EUA ameaça diretamente as linhas de comunicação chinesa, em especial, na área dos estreitos de Sunda e Malaca, com suas bases na região.

Como os chineses tem respondido? investindo na sua Marinha, na construção de bases e no aprofundamento dos laços econômicos com a Rota da China e o Colar de Pérolas, além de….

Quer saber mais? Em breve, no próximo ensaio sobre a competição entre China e Estados Unidos pela hegemonia mundial aqui no História Militar em Debate.

https://aterraeredonda.com.br/dilemas-e-desafios-da-nova-rota-da-seda/

Imagem de Destaque: https://parstoday.com/pt/news/world-i26691-china_prepara_ataque_surpresa_em_taiwan_para_desafiar_os_eua

Fontes

US Aims To Trap China In Perpetual Taiwan Conflict

O que É a “Ambiguidade Estratégica” dos Estados Unidos em Relação a Taiwan e a China

https://exame.com/mundo/china-e-estados-unidos-intensificam-disputa-por-taiwan/

https://exame.com/mundo/eua-fazem-exercicio-militar-em-taiwan-apos-china-testar-missil/

Dilemas e desafios da Nova Rota da Seda

A CHINA E A NOVA ROTA DA SEDA

https://www.tsf.pt/mundo/china-acusa-eua-de-provocacao-apos-passagem-de-navio-de-guerra-no-estreito-de-taiwan-14630935.htmlhttps://parstoday.com/pt/news/world-i26691-china_prepara_ataque_surpresa_em_taiwan_para_desafiar_os_eua

Ricardo Cabral

Sobre o autor

Ricardo Cabral

Professor de História formado pela UGF. Mestrado e Doutorado em História pela UFRJ. Autor de artigos sobre História Militar e Geopolítica.

Deixe um comentário

Gostou dos artigos e postagens?

Quer escrever no site?

Consulte nossas Regras de Publicação e em seguida envie seu artigo.

Siga-nos nas Redes Sociais