Início » Artigos » 1ª Divisão de Fuzileiros Navais » Peleliu: A batalha mais sangrenta dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos

Peleliu: A batalha mais sangrenta dos Fuzileiros Navais dos Estados Unidos

Prof. Dr. Ricardo Pereira Cabral 

A Batalha de Peleliu foi um dos mais duros e sangrentos combates contra os japoneses pelo controle das ilhas que estavam no eixo de progressão dos Aliados em direção ao Japão.  As operações para a conquista da ilha se estenderam de 15 de setembro até 27 de novembro de 1944. A operação foi liderada pela 1ª Divisão de Fuzileiros Navais e a 81ª Divisão de Infantaria do Exército norte-americana contra o 2º Regimento da 14ª Divisão de Infantaria e reforçado por unidades japonesas. A conquista de Peleliu fazia parte da série de operações desenvolvidas dentro da Campanha das Ilhas Marinas e Palau.

A conquista de Peleliu é alvo de muita controvérsia pelo número de baixas, devido ao fato de que a importância estratégica ilha era pequena, pois os campos de pouso existentes em Peleliu e Angaur podiam ser neutralizados com bombardeios aéreos a partir dos porta-aviões. A justificativa utilizada pelo comando Aliado era de que sua posse protegeria o flanco esquerdo das tropas do General McArthur no seu avanço em direção as Filipinas (outro objetivo estratégico, no mínimo polêmico) ou para facilitar o avanço direto para Taiwan e Okinawa, como defendia Nimitz. O argumento contrário à operação era que o avanço norte-americano e a superioridade aeronaval Aliada deixariam as tropas japonesas sem suprimentos e essa posição (como outras, na mesma situação) “cairia pela manobra”.

As forças japonesas e a defesa de Peleliu

A estratégia e as defesa japonesas foram modificadas após a série de derrotas que sofreram nas ilhas Salomão, Gilbert, Marshall e Marianas. Nestas ilhas, os japoneses estabeleceram posições perto das praias a fim de barrar o assalto anfíbio norte-americano. Nas praias, os japoneses colocavam obstáculos, lançaram minas, toda área era batida por fogos diretos (metralhadoras) e indiretos (morteiros e obus). A medida que as linhas de defesa caíam, os invasores topavam com uma segunda linha de defesa, reforçada por posições fortificadas. Os japoneses faziam pesados contra-ataques, muitos suicidas, conhecidos como “cargas banzai”. Esta estratégia colocava as tropas japonesas expostas aos fogos da artilharia naval e dos aviões, além de provocar baixas desnecessárias, sem deter o avanço norte-americano.

O tenente-coronel Kunio Nakagawa, comandante do 2º Regimento da 14ª Divisão de Infantaria era o responsável pela defesa da ilha e mudou a estratégia até então empregada contra os fuzileiros navais. Uma parte da estratégia foi mantida: os obstáculos na praia, armadilhas com granadas explosivas para as lanchas de desembarque, continuaram a ser batidos por fogos, os campos de minas, obstáculos anti-carro (nas principais vias de acesso) e posições fortificadas com metralhadoras, morteiros e artilharia foram escalonadas no interior até a região montanhosa localizada no centro da ilha.

O terreno acidentado e com montanhas íngremes favorecia a defesa. A Montanha Umurbrogol, era um conjunto de colinas e com cristas íngremes localizadas no centro de Peleliu, que tinha vista (e comandamento) para uma grande parte da ilha, incluindo o importante campo de aviação.

Após estudar o terreno, Nakagawa ordenou a construção de um sistema de fortificações interligadas em um sistema conhecido como “favo de mel”. No centro da ilha, estava localizada a região Umurbrogol, onde existia uma série de cavernas, que foram transformadas em posições defensivas pela engenharia e armadas com metralhadoras e obuseiros que eram expostas apenas quando eram utilizadas, dificultando sua localização. As entradas da caverna foram modificadas, o piso foi inclinado e foram construídos sumidouros, conexões entre as cavernas, pequenos abrigos, portas de aço foram instaladas para servirem com barreira contra o fogo e como defesa para ataques com granadas e lança-chamas As cavernas foram conectadas por túneis e trincheiras, permitindo aos japoneses atacar, evacuar, se refugiar e reocupar as posições de acordo com a situação tática.  

https://malteketelsen.com/battleforpeleliu

Clausewitz aprovaria todas as providências tomadas pelo tenente-coronel japonês.

Durante a primeira fase do assalto anfíbio norte-americano, Nakagawa posicionou um batalhão ao longo de posições defensivas fortificadas na praia para aatacar o assalto anfíbio. O objetivo era atrasar o desembarque e atrair os norte-americanos para as posições defensivas no interior da ilha, em verdadeiras “zonas de matar”.

Os japoneses tinham em torno de 11 mil homens para defender Peleliu. O núcleo era o 2º Regimento de Infanataria da 14ª divisão reforçado por dois batalhões.

As forças norte-americanas

A força de invasão norte-americana era parte do III Corpo Anfíbio, constituído pela 1ª Divisão de Fuzileiros Navais e a 81ª Divisão de Infantaria do Exército.

O assalto seria liderado pelos Marines. O dispositivo era o 1º Regimento ao norte, o 5º Regimento no Centro e o 7º Regimento ao sul. Eles desembarcariam em uma praia próxima ao campo de pouso. A tropa de apoio seria 11º Regimento de Artilharia que desembarcaria na praia após a infantaria tê-la “limpado”, ou seja, assim que estivesse segura e que as peças de artilharia pudessem ser posicionadas.

O plano norte-americano era bombardear, por três dias, a ilha com a artilharia naval e a aviação embarcada dos porta-aviões a fim de destruir as defesas japonesas nas praias e nas áreas do interior previamente identificadas. Uma equipe de demolições seria lançada durante o bombardeio a fim limpar a praia dos obstáculos e facilitar o assalto às praias. É importante ressaltar que devido ao elevado número de baixas, entre os fuzileiros, em operações anteriores, o comando norte-americano decidiu por bombardeios mais intensos, de maior extensão e prolongados antes das operações.

Após o desembarque, o 1º e o 7º Regimentos de Fuzileiros Navais avançariam para o interior, protegendo os flancos do 5º Regimento de Fuzileiros Navais e permitindo-lhes capturar o campo de aviação localizado diretamente na posição central, na retaguarda das praias de desembarque. O 5º Regimento deveria avançar para a costa leste, cortando a ilha pela metade. Os fuzileiros avançariam para o norte em direção da localidade de Umurbrogol, enquanto que o 7º Regimento iria limpar o extremo sul da ilha. Apenas um batalhão foi deixado na reserva, com a 81ª Divisão de Infantaria disponível para apoio de Angaur, localizada sul de Peleliu.

A expectativa do comando norte-americano era conquistar a ilha em três dias e isso foi divulgado criando expectativas exageradamente otimistas, que não se confirmaram na prática. O plano norte-americano era bom na teoria, mas não funcionou, pois os japoneses permaneceram em seus abrigos duranto o bombardeio esperando o desembarque dos fuzileiros para só então contra-atacar.

Mapa do assalto americano à ilha de Peleliu. Créditos: “Killing the Rising Sun: How America Vanquished World War II Japan”. http://worldwartwo.filminspector.com/2014/03/invasion-of-peleliu.html. Revista Esmeril. 15/9/21.

A Batalha

Na manhã de 15 de setembro de 1944, os fuzileiros navais assaltaram as praias embarcados no LVT (Landind Vehicle Tracked, um blindado anfíbio sobre lagartas) e DUKW (apelidados de ducks, um veículo anfíbio sobre rodas). Tão logo desembarcaram dos anfíbios nas proximidades das praias, foram recebidos por fogos vindo das fortificações nos corais e nas posições em terra, existentes imediatamente na mata além da linha de maré. Apesar do fogo pesado e do grande número de baixas, os fuzileiros navais conseguiram desembarcar nas praias e imediatamente iniciaram o assalto às posições japonesas. As forças de Nakagawa, apoiado por tanques lançaram um contra-ataque visando expulsar o 1º Regimento que havia desembarcado em seu setor, mas foram destruídos por uma combinação de fogos da artilharia naval, ataques aéreos, blindados e pela bateria de obuses que acompanhou a primeira onda de desembarque. Apesar de rompida a primeira linha de defesa, a resistência continuou muito forte e os fuzileiros avançavam lentamente, só no final do dia a cabeça de praia estava consolidada.

No dia 16 de setembro, o 5º regimento (setor Sul), apesar do grande número de baixas, conquistou o campo de pouso e continuou o seu avanço, deixando para o 7º Regimento a “limpeza” da área. O campo de aviação ficou seguro para uso em 18 de setembro, mas só no dia 26 de setembro os F4U Corsair começaram a operar a partir de aeroporto em apoio direto aos fuzileiros, bombardeando as matas com napalm e lançando foguetes nas entradas das cavernas. As fortificações expostas eram um alvo identificável, o que não quer dizer que eram fáceis de serem destruídas. Lança-chamas, fogos de artilharia e granadas eram utilizadas para destruí-las e matar a sua guarnição.

Muitas das vezes a conquista das fortificações exigiam assaltos e combates corpo a corpo, em outras ocasiões as posições eram profundas e interligadas exigindo que os fuzileiros entrassem nas cavernas para desalojar os japoneses. Este tipo de combate cobrou um alto preço em sangue. 

O avanço de modo geral era lento e penoso, devido à obstinada resistência dos japoneses e a dificuldade de conquistar suas fortalezas. Ao longo de toda batalha os fuzileiros navais tiveram que rechaçar os seguidos contra-ataques japoneses. As baixas foram altas durante a maior parte da campanha. Além disso, o clima quente, as dificuldades logísticas, a exaustão das tropas e as doenças tropicais complicavam a situação tática dos fuzileiros navais. Lembro que pelo plano original, a ilha seria conquistada em até quatro dias.

Em 28 de setembro, o 5º Regimento realizou o assalto anfíbio a Ilha Ngesebus, localizada no sul, muito próxima a Peleliu. Esta ilha, pasmem, foi conquistada sem grandes dificuldades, apesar do grande efetivo que a defendia, das fortificações, da artilharia e das posções de metralhadoras. Nesta ocasião, o bombadeio aéreo e naval foi eficiente. 

A tomada das elevações em Umurbrogol foram sangrentas e ocorreram combates intensos, muitas vezes corpo a corpo, entre japoneses e norte-americanos por dias seguidos. As cavernas e os túneis que as conectavam permitiam aos japoneses atacar e se esconder, realizar emboscadas, posicionar franco atiradores, se infiltrar nas posições americanas e atacá-las, isolar pequenos grupos etc. O 7º Regimento sofreu tantas baixas duranta a ação (46% do efetivo que desembarcou na ilha) que teve que ser substituído pelo 5º Regimento.

Em 30 de outubro, a 81ª Divisão de Infantaria do Exército substituiu a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais em Peleliu. A ofensiva ainda continuou por mais seis semanas, até reduzir o bolsão de resistência dos japoneses. Somente em 27 de novembro, a ilha foi declarada segura, encerrando uma das mais sangrentas batalhas do Pacífico. A campanha durou 73 dias e foi um dos mais duros combates contra os japoneses.

Um fato interessante. No dia  22 de abril de 1947,  na região das cavernas Umurbrogol, um tenente, vinte e seis soldados japoneses do 2º Batalhão do 2º Regimento de Infantaria e oito marinheiros da 45ª Força de Guarda (uma das unidades que compunham a guarnição de Peleliu) se rendereram, após terem sido convencidos por um almirante japonês que a guerra havia terminado.

Um fato triste. Em 24 de novembro, diante do colapso da resistência das forças japonesas, o Tenente-Coronel Nakagawa queimou as bandeiras do regimento e cometeu o seppuku, o suicídio ritual, que deveria ser praticado por todo o guerreiro (samurai) leal ao seu senhor, de acordo com o Bushido (código de honra samurai). Por sua bravura e lealdade ao imperador, Nakagawa foi promovido a tenente-general postumamente.

Considerações finais

No total, a 1ª Divisão de Fuzileiros Navais sofreu mais de 6.500 baixas durante seu mês em Peleliu, mais de um terço de toda a divisão. A 81ª Divisão de Infantaria também sofreu pesadas perdas, com 3.300 baixas durante os combates na ilha.

As perdas japonesas, incluindo trabalhadores coreanos, chegou a 13.600, apenas 400 militares se renderam.

A batalha foi polêmica nos Estados Unidos devido à falta de valor estratégico da ilha. A conclusão dos analistas era de que os defensores não possuíam os meios para interferir nas operações dos Aliados nas Filipinas ou no Japão. Além disso, o campo de pouso capturado, em Peleliu, não desempenhou um papel relevante nas operações subsequentes. Em vez disso, a conquista do Atol Ulithi, nas Ilhas Carolinas, uma recomendação do Almirante Halsey, foi muito mais útil como base para a invasão de Okinawa.

Outra polêmica que envolve a conquista de Peleliu foi à posição do Almirante William F. Halsey Jr., que defendia a ocupação da Ilha Yap, nas Ilhas Carolinas, que foi cancelada. Halsey também recomendou que os desembarques em Peleliu e Angaur fossem cancelados e em vez disso fossem realizados na Ilha Leyte, nas Filipinas, mas estas recomendações não foram levadas em consideração pelo Almirate Chester Nimitz.

Outros pontos negativos foram a alta taxa de baixas da campanha, que excedeu todas as outras operações anfíbias durante a Guerra do Pacífico, e o empenho de vultuosos recursos logísticos, de homens e equipamentos para tomar uma posição de valor estratégico irrelevante.

As batalhas de Angaur e Peleliu mostraram aos norte-americanos o padrão da defesa das posições japonesas. Apesar disso, o comando das forças norte-americanas fizeram poucos ajustes para os assaltos às ilhas de Iwo Jima e Okinawa. Pontos positivos da Batalha de Peleliu, se é que se pode falar isso, foi a experiência adquirida e as soluções encontradas pelos fuzilieors navais para atacar e conquistar posições fortificadas, a compreenção de como funcionava o sistema defensivo japonês, a necessidade de se ajustar o bombardeiro aeronaval, o apoio aéreo as operações em terra, o emprego das equipes de mergulhadores de combate entre outros aspectos. Esta experiência ajudaria  na conquista de Okinawa.

Os Fuzileiros Navais e os combatentes japoneses que lutaram em Peleliu escreveram, com seu sangue, páginas de patriotismo, bravura, heroísmo e abnegação. Seus feitos estão registrados na História dos seus países e corporações.

Em breve voltaremos a Guerra do Pacífico!!!

Imagem de Capa: Fuzileiros americanos nas praias de Peleliu. Série ”The Pacific” (HBO-2010). Créditos: https://sledgehammersnafu.wordpress.com/2017/05/22/peleliu-landing-transcript/ apud Revista Esmeril

Quer saber mais sobre a Segunda Guerra Mundial, leia os artigos sobre o Graf Spee e a Batalha do Rio da PrataPortugal na Segunda Guerra Mundial: As motivações para a Neutralidade e os posts sobre Batalha de GuadalcanalBatalha de Cabo Gloucester, Jorge Sanjinez Lenz: Quem foi o peruano que lutou no dia D?Operação NeulandClasse Fletcher: O Melhor Destroyer da Segunda Guerra Mundial ,RatlinesBlitzkriegDia D – O mais longo dos diasOperação DínamoI52: Submarino Japonês afundado no Oceano AtlânticoSoldados da BorrachaFornovo di Taro: A rendição alemã para o Exército brasileiroSupermarine SpitfireWilhelm CanarisCanhão de 88 mm, você pode navegar por este link, no nome do texto ou pelas categorias do site.

Quer saber mais sobre as Operações Anfíbias, leia os posts sobre a Batalha de Cabo GloucesterBatalha de Guadalcanal, Jorge Sanjinez Lenz: Quem foi o peruano que lutou no dia D?Dia D – O mais longo dos dias, Operações Anfíbias, você pode navegar por este link, no nome do texto ou pelas categorias do site.

Bibliografia

Hammel, Eric. Coral and Blood: The U.S. Marine Corps’ Pacific Campaign. Pacifica, Califórnia: Pacifica Military History, 2010.

Link para adquiri-lo na Amazon:

https://www.amazon.com.br/gp/product/B002AVTZ7G/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=B002AVTZ7G&linkId=0da50ed2d4ff546e0e6dc9da885a7a0c

MORAN, Jim Moran. Battle of Peleliu, 1944. Three Days That Turned into Three Months. Yorkshire: Frontline Books, 2021.

Link para adquiri-lo na Amazon:

https://www.amazon.com.br/gp/product/B097KF1C58/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=B097KF1C58&linkId=50350f0c3fd63ef3f676d505c4bdc690

Sites consultados

BUCCINI, Jonas. Batalha de Peleliu. O combate mais amargo da guerra para os fuzileiros americanos. Revista Esmeril nº 25, de 24/10/2021. Disponível no sítio eletrônico: https://revistaesmeril.com.br/batalha-de-peleliu-o-combate-mais-amargo-da-guerra-para-os-fuzileiros-americanos/. Acessado em 29/10/21.

GAYLE, Gordon D. BLOODY BEACHES: The Marines at Peleliu. Was the Seizure of Peleliu Necessary? Costs vs. Benefits. Disponível no sítio eletrônico: https://www.nps.gov/parkhistory/online_books/npswapa/extcontent/usmc/pcn-190-003137-00/sec11.htm Acessado em 29/10/21.

KETELSIN, Malte. The Battle for Peleliu. https://malteketelsen.com/battleforpeleliu. Acessado em 30/10/21.

https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Peleliu

https://www.history.navy.mil/browse-by-topic/wars-conflicts-and-operations/world-war-ii/1944/peleliu.html

https://www.historynet.com/peleliu

Se você quiser saber mais sobre o assunto, recomendamos:

Link para adquiri-lo na Amazon:

Hell in the Pacific:

https://www.amazon.com.br/gp/product/B0064CML3M/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=B0064CML3M&linkId=92ed470b7dfc0ae54604ac8f57340d02

Helmet for my Pillow:

https://www.amazon.com.br/gp/product/B0035J5DJ6/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=B0035J5DJ6&linkId=39ef17a07f95379febd8e51b301852c0

Islands of the Damned

https://www.amazon.com.br/gp/product/0451232267/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=0451232267&linkId=b5cb20cfe13ac7b98397dec1a9cea20f

A perspectiva japonesa da Campanha de Peleliu


The Breaking Jewel

https://www.amazon.com.br/gp/product/0231126131/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=0231126131&linkId=dc655196bc1f98df3774d14d6a1e0faf

The Pacific, a minissérie que aborda a Batalha de Peleliu nos episódios 5, 6 e 7, com cenas bem realistas.

Série The Pacific

https://www.amazon.com.br/gp/product/B087SCJ5JD/ref=as_li_qf_asin_il_tl?ie=UTF8&tag=hmd2021-20&creative=9325&linkCode=as2&creativeASIN=B087SCJ5JD&linkId=bb282daa984cb483d895734903966e03

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *