Pular para o conteúdo

Armaduras Medievais IX

Assim que a armadura de placas atingiu seu apogeu durante o Renascimento, seu uso real em campo estava se tornando obsoleto. As táticas de cavalaria leve e a crescente prevalência de armas de pólvora significavam que os cavaleiros pesados em armaduras brilhantes eram cada vez mais anacrônicos, um retrocesso a um passado feudal imaginário de cavalaria e honra no campo de batalha. Assim, os trajes completos ficaram restritos aos feitos para justas que continuaram a se desenvolver.

A decoração de armaduras finas aumentou muito no período, usando uma variedade de técnicas, e aumentando ainda mais o custo. Armaduras elaboradamente decoradas para a realeza e os muito ricos estavam sendo produzidas. Armaduras altamente decoradas são muitas vezes chamadas de armaduras de desfile, um termo um tanto enganoso, já que essa armadura podia muito bem ser usada no serviço militar ativo. A armadura de chapa de aço para Henrique II da França, feita em 1555, é coberta com relevo meticuloso, que foi submetido a azul, prateado e dourado.

Esse trabalho exigia que os armeiros colaborassem com os artistas ou tivessem habilidades artísticas próprias; outra alternativa era tirar desenhos de estampas ornamentais e outras estampas, como muitas vezes era feito. Daniel Hopfer era um gravador de armadura por formação, que desenvolveu uma forma de gravura. Outros artistas, como Hans Holbein, o Jovem, produziram designs para armaduras. O armeiro milanês Filippo Negroli, de uma importante dinastia de armeiros, foi o mais famoso modelador de decoração em relevo figurativo em armaduras.

Link: https://www.instagram.com/p/Ccn6aSTPYaH/

Tradução e adaptação: Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.