Batalha de Öland: Guerra Russo-Sueca

de

Prof. Dr. Ricardo Pereira Cabral

Em 26 de julho de 1789, durante a Guerra Russo-Sueca (1789-1790), ocorreu a Batalha de Öland.  A Marinha sueca se apresentou para a batalha com 21 navios de linha, 9 fragatas pesadas e 4 fragatas leves, eram comandadas pelo Príncipe Karl, Duque de Södermanland. Os suecos sofreram com várias doenças que dizimaram suas tripulações e sua situação estratégica era frágil. O esquadrão russo era composto por 21 navios de linha e 10 fragatas, sob o comando do almirante Vasili Chichagov.

Os russos estavam em preparativos para travar uma batalha decisiva pelo controle do Mar Báltico. A esquadra russa do Báltico passou o inverno ancorada dividida em três esquadrões em Copenhague, Reval e Kronsdadt reparando navios danificados e construindo outros. Os russos buscavam formar uma esquadra com cerca de 40 navios capazes de participar da linha de batalha, com uma tripulação combinada de cerca de 30.000 homens. O objetivo das operações navais russas em 1789 era unir os elementos separados da frota e, em seguida, engajar a frota sueca o mais rápido possível, ao mesmo tempo em que fornecia forças para manter os bloqueios das rotas de navegação ao longo da costa finlandesa.

A batalha ocorreu próximo a ilha de Öland, por iniciativa sueca, que queriam interceptar e bater partes dos esquadrões russos antes que se reunissem.

A.P. Bogolyubov “Capture by a boat” Mercury “of the Swedish frigate” Venus “
https://en.topwar.ru/98472-borba-rossii-so-shvedskim-revanshizmom-vo-vtoroy-polovine-xviii-veka-elandskoe-srazhenie.html

Em 23 de julho, a frota sueca recebeu a notícia de que 35 navios da frota russa foram vistos fora de Gotland e, finalmente, ao meio-dia de 25 de julho, os primeiros navios russos foram avistados. Ambas as frotas seguiram para o norte, com os suecos tentaram aproximar-se a fim de engajar o esquadrão russo.Os ventos estavam ficando mais fortes, o que impediu a aproximação.

Na manhã de 26 de julho, as frotas se avistaram novamente e os suecos novamente tentaram se aproximar e enfrentar o russo, mas não conseguiram fazê-lo, pois a frota russa evitou cuidadosamente. Outro problema para os suecos foi que a retaguarda comandada pelo almirante Per Lilliehorn se separou do resto da frota e não voltou a juntar-se a ela apesar de ter sido repetidamente ordenado a fazê-lo.

Em 26 de julho, os navios da vanguarda chegaram ao alcance dos canhões e começaram a batalha. Ventos variados forçaram a batalha a ser interrompida entre 16 h e 18 h, mas mais tarde foi iniciada novamente. Os combates continuaram até 20 h, quando a frota russa virou para o leste. A frota sueca foi incapaz de seguir, pois as tripulações estavam muito desfalcadas e não tinham homens suficientes para guarnecer os canhões e manobrar as velas simultaneamente. Durante a batalha, as frotas permaneceram a uma distância razoável e os canhões foram disparados perto de seus alcances máximos e, portanto, tiveram muito pouco efeito. Vários canhões e barris de pólvora explodiram, sendo um das principais causas de perdas em ambos os lados. Durante a luta, três navios da frota russa ficaram separados do resto da frota. Vários navios suecos receberam ordens para enfrentar esses retardatários, mas os suecos se afastaram antes mesmo de chegar ao alcance dos canhões. Os capitães dos navios alegaram mais tarde que se afastaram dos navios russos de acordo com as ordens do almirante Per Liljehorn, que manteve seus navios longe da luta. Os suecos tentavam engajar os russos até 30 de julho.

Em 31 de julho, o vento virou e passou a ser favorável para a chegada do esquadrão russo de Copenhague. Para evitar ser pego entre duas frotas russas, a frota sueca voltou para Karlskrona. No mesmo dia, o esquadrão russo de Copenhague juntou-se à frota russa.

Os almirantes Per Liljehorn e Vasili Chichagov foram a corte marcial dos dois países, pela falta de agressividade. O almirante sueco Per Liljehorn, que se recusou a participar da batalha, foi condenado, mas não foi executado. Já Chicarov foi inocentado, sob a alegação que suas ordens eram de esperar o esquadrão vindo de Copenhague. No entanto, Chichagov perdeu a oportunidade de destruir a esquadra sueca que estava com a linha de batalha enfraquecida.

Imagem de Destaque: https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_%C3%96land_(1789)#/media/File:Slaget_vid_%C3%96land.jpg

Fontes

https://www.wikiwand.com/en/Russo-Swedish_War_(1788%E2%80%931790)

https://en.topwar.ru/98472-borba-rossii-so-shvedskim-revanshizmom-vo-vtoroy-polovine-xviii-veka-elandskoe-srazhenie.html

Ricardo Cabral

Sobre o autor

Ricardo Cabral

Professor de História formado pela UGF. Mestrado e Doutorado em História pela UFRJ. Autor de artigos sobre História Militar e Geopolítica.

Deixe um comentário

Gostou dos artigos e postagens?

Quer escrever no site?

Consulte nossas Regras de Publicação e em seguida envie seu artigo.

Siga-nos nas Redes Sociais