Pular para o conteúdo

Batalha de Rivoli

O dia 14-15 de janeiro de 1797 marca a Batalha de Rivoli na 1ª Guerra de Coalizão quando Napoleão Bonaparte 21.651 infantaria francesa e 1.811 cavalaria derrotaram 22.683 infantaria Habsburgo e 1.776 cavalaria do general Jozsef Alvinczi. Este perseguiu o marechal Joubert, que se juntou a Napoleão nas colinas de Trambasore. Alvinczi dividiu seus homens em 6 colunas. Koblos (4.334 homens), Lipthay (5.060) e Ocksay (2.682) atacariam o centro do dispositivo de Napoleão. Vukasović (1.169) e Gvozdanović (4.883) passariam por um desfiladeiro à sua direita. Lusignan (4.555) faria um amplo circuito ao redor das alturas e atrás da esquerda de Napoleão, bloqueando sua retirada.

Lipthay (à direita) e Koblos (à esquerda) enfrentaram a divisão de Joubert (9.853 pés, 205 cavalos). Snow segurou Ocksay. Às 04:00, Napoleão ordenou que Joubert contra-atacasse e tomar as colinas de San Marco, chave para o planalto. Alvinczi, esperando que ele ficasse na defensiva, ficou surpreso. Joubert repeliu seus inimigos, conquistando vários pontos fortes. Segurando-os alongou perigosamente seu dispositivo. Napoleão instalou baterias em cada posição. Um contra-ataque dos Habsburgos à direita de Joubert quase deu certo. Sem o paoio de sua artilharia, as tropas dos Habsburgos foram forçados a recuar.

Ao amanhecer, Ocksay chegou ao campo de batalha, posicionando-se à esquerda de Koblos. Alvinczi ordenou um ataque geral. Após 2 horas de luta feroz, a ala esquerda de Joubert cedeu. Lipthay juntou-se a Koblos no ataque ao centro do dispositivo de Joubert. Apesar da pressão incrível, os franceses aguentaram. Às 10:00, Napoleão enviou a divisão de Masséna (8.201 infantes, 419 cavaleiros), restabelecendo a situação. Apesar da falta de artilharia, os Habsburgos fizeram progressos constantes em todas as frentes. Apesar de recuos as tropas dos Habsborgos atacariam novamente. Joubert mais tarde o caracterizou esta fase da batalha  como “10 horas de cargas e derrotas alternadas em ambos os lados”.

Às 11:00, a posição de Napoleão era desesperadora. Gvozdanović, subindo o desfiladeiro de Rivoli à direita de Joubert, em direção aos postos avançados franceses, emergindo no Planalto. Ele instalou uma bateria de artilharia na retaguarda da ala direita de Joubert. Lusignan cortou a estrada sul, importante linha de comunicação dos franceses. Napoleão enviou o 18º Regimento de Linha para reabri-la. O corso deslocou homens e 15 canhões de seu centro para deter as forças de Gvozdanović. Os dragões dos Habsburgos avançaram sobre os franceses e  caíram em uma tempestade de tiros à queima-roupa. A cavalaria retorcedeu, correndo pela infantaria que vinha a sua esteira.

READ  Batalha Taquarembó e a conquista definitiva da Cisplatina

Os canhões franceses então se voltaram contra a infantaria dos Habsburgos, acompanhada por uma bateria no flanco de Gvozdanović. As baixas foram terríveis. A brigada de Leclerc (1.150 infantes do 18º Regimento de infantaria, 419 cavalos, 1º Regimento de Cavalaria e o 15º Regimentos de Dragões) fizeram sua carga contra as tropas dos Habsburgos, quebrando suas linhas. Anton Lasalle, liderando 26 homens do 22º Regimento dos Caçadores à cavalo, capturou um batalhão e 5 bandeiras. O desfiladeiro estava agora apinhado de Habsburgos em fuga. Gvozdanović não conseguiu avançar seus reforços. Com sua posição agora era sem esperança de vitória, ele recuou.

Napoleão então concentrou seus homens nas 3 colunas que atacavam seu centro. Às 14:00, a divisão de Rey (3.597 infantes e, 1.187 cavaleiros) e a brigada de Victor (1.800 homens) chegaram. Lusignan, lutando contra o 18º Regimento de Linha, foi atacado pela retaguardas e foi derrotado, menos de 2.000 homens escaparam. A cavalaria de Murat (322) deu continuidade ao ataque e caiu sobre flanco de Ocksay, forçando-o a recuar. A essa altura, o ataque de Alvinczi havia falhado. Ele interrompeu o ataque, atrasando a retirada para deixar Gvozdanović se juntar a ele.

Às 05:00, 15 de janeiro, todo o exército de Napoleão atacou. Alvinzci ordenou uma retirada geral. Seu exército maltratado e exausto simplesmente quebrou. A perseguição durou o dia todo. Napoleão perdeu 3.200 homens mortos/feridos, 1.000 cativos. Alvinczi perdeu de 3 a 4.000 mortos/feridos, de 8 a 11.000 foram feitos prisioneiros, 40 canhões e 11 bandeiras. Napoleão juntou-se ao cerco francês de Mântua, que se rendeu em 2 de fevereiro, fazendo 16.000 homens rpisioneiros e 1.500 canhões foram tomados. O Exército do Norte da Itália dos Habsburgos deixou de existir. Esta foi a maior vitória de Napoleão até aquele momento, garantindo o controle francês da região.

READ  Os Hospitalários

Fonte: Garret Anderson. This day, this battle.

Link: https://www.facebook.com/photo/?fbid=10158610003721367&set=gm.1257285481431288

https://warfarehistorynetwork.com/2021/02/03/battle-of-rivoli-how-napoleon-bonaparte-instigated-an-austrian-debacle/

https://alchetron.com/Battle-of-Rivoli

https://warfarehistorynetwork.com/2021/02/03/battle-of-rivoli-how-napoleon-bonaparte-instigated-an-austrian-debacle/

Tradução e Adaptação: Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.