Pular para o conteúdo

Batalha de Waterloo

Prof. Dr. Ricardo Pereira Cabral

Antecedentes

Em 15 de junho de 1815, Napoleão invadiu a Bélgica com o objetivo de derrotar parte dos exércitos da 7ª Coalizão, antes que se reunissem. O exército prussiano, comandado pelo marechal Gebhard von Blücher, de 117 mil homens. O outro exército era liderado pelos britânicos, cujo grosso era constituído por britânicos, 25 mil; a Legião Germânica do Rei, 6 mil; Países Baixos, 17 mil; Brunswick, 6 mil; Nassau, 3 mil, uma força heterogênea para cumprir uma missão difícil.

O exército de Napoleão era constituído por 73 mil homens, a grande maioria veteranos, extremamente leais ao Imperador, com a seguinte distribuição: 50.700 infantes; 14.390 cavalarianos; 8.050 artilheiros e engenheiros, 252 canhões.   

Em direção a França se dirigiam três outros exército. O exército austríaco com 210 mil homens; um russo com 150 mil e outro austro-italiano com 75 mil homens que havia invadido o territórios francês.

Napoleão posiciona seu exército em um posição central, tática tantas vezes utilizada, e envia o Marechal Ney. A Quatre-Bras com uma força de 24 mil homens, para impedir a junção dos dois exército aliados.

No dia 16 de junho de 1815, Napoleão ataca os prussianos em Ligny, mas não consegue destruí-los, o experiente Blücher (que havia derrotado Napoleão em Leipzig), liderou, pessoalmente, uma carga de cavalaria que permitiu que seu exército recuasse em ordem. Napoleão não tinha tempo de perseguir os prussianos e acabar o “serviço”, então destacou um exército de 30 mil homens, sob o comando do marechal Emmanuel de Grouchy com ordens de perseguir os prussianos e impedi-los de se juntarem aos britânicos e seus aliados.

A batalha

Em 17 de junho de 1815, Napoleão e seu exército, chegaram a região do monte Saint Jean, e se posicionou ao longo da fazenda Belle Alliance. Os franceses contavam com 74 mil homens e 250 canhões.

O exército de Wellington contava com 67 mil homens, de várias nações, apoiados por 160 canhões, e se posicionou longo da elevação de Saint Jean, em uma forte posição defensiva. Sua estratégia era prolongar a batalha, na esperança da chegada dos prussianos. Wellington não sabia que Grouchy os perseguia.

O solo estava encharcado com a chuva que havia caído em 17 de junho, Napoleão então adiou o ataque que seria realizado na noite daquele mesmo dia para o meio dia de 18/6, na esperança de que o solo mais seco o beneficiasse.

O tempo era uma vantagem para Wellington que estava na defensiva e ele corria contra Napoleão.

https://brjoga.wordpress.com/2017/09/28/batalhas-historicas-3-waterloo/

Aproximadamente às 11 h, Napoleão lançou um ataque diversionário posição na fazenda Hougomount, mas Wellington não caiu na armadilha.

READ  Devastações da Segunda Guerra Mundial: A Cidade Fantasma Francesa

Às 12:30 h, Napoleão lança o corpo, do general D’Erlon, no comanda de 17 mil infantes, apoiado pela artilharia, contra o centro do dispositivo inimigo, a fazenda La Haye. Outro contingente se aproximava pelo flanco esquerdo. Os franceses tomaram a posição em Papellote e La Haye estava sucumbindo.

https://mycountryeurope.com/history/day-june-18-1815-waterloo/

A reação de Wellington foi enviar tropas para retomar Papelote, o que foi feito, e a 5ª Brigada (veterana da Espanha) que provocou grandes baixas nas forças francesas, forçando-as a recuar. Wellesley viu a chance de liquidar a batalha. Acionou sua cavalaria para um contra-ataque no centro. As brigadas Household, Union e Vivian provocaram desordem entre os franceses. Mas por pouco tempo. Perto da linha de canhões inimiga, a cavalaria inglesa foi surpreendida por um contra-golpe mortal. A cavalaria pesada francesa, com seus Cuirassiers (cavalaria pesada), apoiados pelos Lanciers (cavalaria leve), atacou os ingleses. Os ingleses foram aniquilados. Napoleão deu o troco e continha os britânicos. 

A batalha permanecia num impasse. Na ala direita de Wellesley, a luta prosseguia sem um resultado decisivo em Hougomount. No centro e na esquerda, os ingleses e os aliados batavos e alemães haviam a muito custo mantido La Haye Sainte e Papilotte. Foi nessa hora, entretanto, que Bonaparte recebeu uma notícia que o alarmou. Cerca de 40 mil homens se aproximavam do lado direito do exército francês, nas imediações de Papilotte.

Inicialmente pensou que fosse Grouchy, que havia tinha a missão de afastar os prussianos, Logo suas esperanças se desfizeram. Grouchy falhara. Aquele corpo de exército era a vanguarda do exército prussiano, que chegava para socorrer o aliado inglês. Napoleão teve que improvisar. Sua ala direita, comandada pelo general Lobau, se realinhou de modo defensivo para segurar a chegada dos prussianos e dar ao imperador algumas horas para agir.

https://yesterday.uktv.co.uk/blogs/article/5-grisly-facts-about-battle-waterloo/

Às 16 h, em uma tentativa de vencer a batalha, determinou que Ney tomasse La Hayse Saint e rompesse o centro britânico. Ney, com dois batalhões de infantaria, ordenou um ataque coordenado e capturou La Haye Sainte, uma fazenda no meio das linhas aliadas. A artilharia francesa então começou a atacar os aliados a partir do centro. Nesse momento Ney, cometeu um erro fatal. Em meio à fumaça dos canhões e à loucura da batalha, supôs que o exército inglês estava recuando. Ele então ordenou que sua cavalaria partisse para cima do inimigo. Napoleão achou o movimento precipitado, mas, uma vez que Ney era quem estava encabeçando o ataque, enviou mais cavaleiros para sustentar a carga. A tremenda carga dos Cuirassiers terminou de forma trágica. A infantaria inglesa não estava recuando, como Ney imaginava. Eles formaram quadrados e passaram a fuzilar os cavaleiros franceses, que não conseguiam romper as formações defensivas. Nas duas horas seguintes, Ney lideraria ao menos 12 cargas de cavalaria contra o centro inglês, com mais de 5 mil cavaleiros.

A Batalha de Waterloo, por Clément-Auguste Andrieux 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Waterloo#/media/Ficheiro:Andrieux_-_La_bataille_de_Waterloo.jpg

La Haye Sainte finalmente caiu em mãos francesas, mas os ingleses ainda mantinham seu centro coeso no alto do monte Saint Jean.

READ  Batalha de Mogadíscio: O novo Vietnã dos EUA?

A cavalaria francesa lançou o assalto final e foi novamente batida. Os ingleses não estavam em melhor estado e suas linhas estavam a ponto de romper. Ney, dessa vez corretamente, identificou a oportunidade de vencer e implorou a Napoleão por mais tropas, que não as tinha. Mais um esforço e os ingleses teria sido derrotado. A essa altura, os prussianos estavam destruindo sua ala direita e Napoleão teve que priorizar esse setor para ganhar mais fôlego.

Napoleão decidiu então utilizar sua última e preciosa reserva: a sua famosa Guarda Imperial, a elite de seus veteranos. Ele enviou dois batalhões contra os prussianos — e mais uma vez eles fizeram valer a sua reputação. Quando a Guarda Imperial entrava em campo, os inimigos tremiam. Até então ela nunca havia sido derrotada em batalha. Os dois batalhões varreram sozinhos 14 batalhões prussianos, estabilizaram a ala direita e deram ao imperador a chance de lutar novamente contra os britânicos no centro. Havia esperança de as forças de Grouchy aparecessem.

https://www.theguardian.com/world/from-the-archive-blog/2015/jun/18/battle-of-waterloo-observer-reports-1815

Às 19 h, Napoleão enviou contra o centro inglês os últimos quatro batalhões da Velha Guarda em uma tentativa de quebrar a enfraquecida linha britânica. Nesta ocasião, Blücher apareceu com a maior parte das tropas prussianas, atingindo Napoleão no flanco, e Wellington ordenou o avanço geral.

Em desespero, o general inglês reuniu tudo o que tinha e esperou o ataque final entrincheirado no alto do Saint Jean. Enquanto subia o monte, a Guarda Imperial foi assaltada pelas unidades inglesas, alemãs e holandesas. Uma a uma, foram repelidas, enquanto os veteranos de Napoleão continuavam seu avanço. Mas o esforço foi em vão lutando, contra efetivos muito maiores. O centro inglês apesar das enormes perdas resistia. No flanco direito francês, finalmente, os prussianos conseguem derrota-los.

O general Hill sugere a rendição do que restou da Guarda Imperial francesa.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Waterloo#/media/Ficheiro:Dernier_carre_de_la_Garde_-_gen_Hill.png

Em um último ato de coragem, três batalhões da Velha Guarda permaneceram lutando para dar ao imperador a chance de fugir. Lutariam até o fim. Cercados por prussianos, receberam ordem de rendição. O general Pierre Cambronne, declarou: “A Guarda morre, mas não se rende“. Em outro ponto, o marechal Ney, apelidado por Napoleão como “o bravo dos bravos”, ao ver tudo perdido, reuniu um grupo de soldados fiéis e liderou uma última carga de cavalaria, gritando: “Assim morre um marechal da França!”. Napoleão, agarrado por auxiliares, foi retirado à força do campo de batalha.

READ  Cerco de Jadotville

Às 19 h, Wellington se reúne com Blücher, seu salvador. Napoleão estava derrotado, agora de forma definitiva.

Os franceses tiveram de 24 mil a 26 mil mortos ou feridos, 6 mil a 7 mil capturados e 15 mil desaparecidos ou desertores. Já as forças da coalizão tiveram 4.7 mil mortos, 14.600 feridos e 4.7 mil desaparecidos.

Conclusões

A Batalha de Waterloo foi um batalha decisiva clássica e encerrou o ciclo de guerras da Revolução Francesa e do Império.

A derrota de Napoleão era certa, pois mesmo que batesse Wellington e Blücher, outros três exército, ainda maiores estavam invadindo a França. O Congresso de Viena já tinha decido excluir Napoleão do jogo político europeu e reverter vários dos avanços e transformações da implementados pela Revolução e Napoleão (ainda que sua influência fosse duradoura e uma volta ao passado logo se mostrou impossível).

Com relação a batalha propriamente dita, fora o erro grosseiro de Grouchy podemos salientar a resiliência da infantaria britânica em conter os avanços dos franceses e fatores como o tempo, clima e a posição no terreno se mostraram mais favoráveis aos defensores.

Clausewitz, chefe do estado-maior do III Corpo do Exército prussiano, em sua análise sobre as batalhas de Quatre Bras e Waterloo ressalta uma série de erros táticos cometidos por Napoleão e Wellington ao longo da batalha. Conceitos como fricção, acaso, a névoa da guerra, centro de gravidade, ponto culminante da ofensiva, ponto culminante da vitória e a superioridade da defesa sobre o ataque foram aplicados na sua análise presente no opúsculo lançado sobre a Campanha de 1815. Na opinião do general prussiano, a decisão de Napoleão atrasar o ataque e a chegada dos prussianos no momento em que os franceses estavam próximos de romper o centro do dispositivo britânico foram fundamentais para o resultado da batalha.

Imagem de Destaque: The Battle of Waterloo por William Sadler – https://en.wikipedia.org/wiki/The_Battle_of_Waterloo_(painting)#/media/File:Battle_of_Waterloo_1815.PNG

Bibliografia

CLAUSEWITZ, Carl v. On war.Edited and translated Michael Howard and Peter Paret. Princeton: Princeton University Press, 1976.

________________. Campaign of 1815. WELLESLEY, Arthur. On Waterloo. Translated and edited by Chrintopher Brassford, Daniel Moran and Gregory W. Pedlow. Published Clausewitz.com, 2015.

KEEGAN, John. A Face da Batalha. Rio de Janeiro: Biliex, 2000.

Sugestões de livros, filmes e documentários:

Recomendo o filme épico de 1970

CORNWELL, Bernard. Waterloo: A história de quatro dias, três exércitos e três batalhas. O confronto que deteve Napoleão. Disponível na Amazon: https://www.amazon.com.br/Waterloo-hist%C3%B3ria-ex%C3%A9rcitos-batalhas-confronto-ebook/dp/B0106KTYXC/ref=sr_1_5?crid=3CUL427AKRDQT&keywords=waterloo+bernard+cornwell&qid=1654982488&sprefix=waterloo%2Caps%2C243&sr=8-5&ufe=app_do%3Aamzn1.fos.6a09f7ec-d911-4889-ad70-de8dd83c8a74

Battleground: The Art of War – Waterloo. Disponível no sítio eletrônico: https://www.youtube.com/watch?v=oHaOQF0xrk0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.