Pular para o conteúdo

Batalha do Passo Roncevaux

A agitação basca nos Pireneus atraiu Carlos Magno e seu exército na direção da Saxônia para uma série de combates, incluindo a famosa Batalha de Roncevaux Pass em 778, na qual a retaguarda de Carlos Magno foi emboscada e massacrada, incluindo o conde Roland, da Marcha Bretã. Essa derrota não fez nada além da determinação de Carlos Magno de trazer a região completamente sob seu controle.

A Batalha de Roncevaux Pass foi uma batalha em 778 na qual Rolando, prefeito da Marcha Bretã e comandante da retaguarda do exército de Carlos Magno, foi derrotado pelos bascos. A batalha viu uma grande força de bascos emboscar uma parte do exército de Carlos Magno em Roncevaux Pass, uma passagem de alta montanha nos Pirineus, na fronteira entre a França e a Espanha, após sua invasão da Península Ibérica.

O ataque basco foi uma retaliação pela destruição das muralhas da cidade de sua capital, Pamplona, ​​por Carlos Magno. Quando os francos recuaram pelos Pireneus de volta à França, a retaguarda dos senhores francos foi cortada, manteve-se firme e foi exterminada. Roncevaux foi a única derrota militar de Carlos Magno.

 A batalha foi romantizada pela tradição oral em um grande conflito entre cristãos e muçulmanos, embora seja improvável que a religião tenha sido um fator ou que um número significativo de bascos tenha se convertido ao cristianismo no momento da batalha. A batalha elevou o relativamente obscuro Rolando e os paladinos à lenda, tornando-se o modelo por excelência para os cavaleiros e também influenciando muito o código de cavalaria na Idade Média.

Entre 778 e 796, Carlos Magno fez campanha todos os anos nos Pirineus, Espanha e Germânia, conquistando repetidas vitórias. Em 795, ele aceitou a rendição dos Ávaros da Hungria, mas, recusando-se a confiar neles, atacou sua fortaleza (conhecida como O Anel) e os derrotou completamente em 796, efetivamente acabando com eles como povo. Ele também derrotou os sarracenos do norte da Espanha, estabelecendo uma zona de amortecimento chamada Marcha Espanhola, depois tomou a ilha da Córsega. Seu reino agora se estendia pela região da França moderna, norte da Espanha, norte da Itália e Alemanha moderna, exceto pela Saxônia no norte.

READ  Batalha de Rivoli

Cada vez que Carlos Magno pensava que havia subjugado os saxões e colocado sua luta para descansar, eles se rebelaram novamente. Antes das guerras saxãs, a região da Saxônia mantinha boas relações com a Francia e interagia regularmente com eles, servindo como canal comercial para os países escandinavos. Em 772, um grupo de saxões teria invadido e queimado uma igreja em Deventer (na atual Holanda, então parte do reino de Carlos Magno) e isso deu a Carlos Magno a justificativa para invadir a região.

Fonte:

https://www.instagram.com/p/CbdPG19ve-D/

https://www.instagram.com/p/Cbf1rE5PO2o/

Tradução e Adaptação: Profº Dr. Ricardo Pereira Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.