Pular para o conteúdo

Batalha de Copenhagen

A imagem é vista da extremidade sul do Abismo do Rei. Além disso, mostra a frota britânica com a bandeira azul. Em primeiro plano à direita o ‘Russell’ e ‘Bellona’. São mostrados em vista de bombordo, sua posição acentuada indicando que eles encalharam.

2 de abril de 1801, aconteceu a Batalha de Copenhague na 2ª Guerra de Coalizão, quando os 12 navios-de-linha, 5 fragatas, 6 saveiros e 7 canhoneiras do Almirante britânico Horatio Nelson derrotaram os 9 navios-de-linha e 11 chalupas de guerra dinamarqueses do vice-almirante Johan Olfert Fischer.

A Dinamarca havia se juntado à Liga da Neutralidade Armada da Rússia.

Nelson desejava apreender a frota da Dinamarca. Como resultado, impedir que fosse usada contra a Grã-Bretanha. Em 30 de março, ele chegou a Copenhague. Fischer formou a linha de batalha, bloqueando o porto.

Os fortes de Tre Kroner localizados no extremo norte do porto davam proteção. O porto era raso.

O superior de Nelson, o almirante Sir Hyde Parker, deu-lhe navios com os calados mais rasos.

Nelson acreditava que seus navios mais numerosos e mais fortemente armados e tripulações veteranas lhe dariam uma vantagem. A maioria dos tripulantes dinamarqueses consistia de voluntários não treinados.

Suas fragatas e chalupas de guerra varreriam ambas as extremidades da linha de Fischer, além disso, suas canhoneiras disparariam sobre seus navios de linha.

Nelson formou linha de batalha. Cada navio de linha ancorado em frente a um dinamarquês.

A ação começou às 10h05 de 2 de abril. Alguns navios britânicos encalharam entrando no porto. Parker, observando isso, sinalizou para Nelson recuar às 13h30. Ele disse: “Vou fazer o sinal de retorno pelo bem de Nelson. Se ele estiver em condições de continuar a ação, ele a desconsiderará; se não for, será uma desculpa para sua retirada e nenhuma culpa poderá ser imputada a ele”. Nelson ficou famoso com o telescópio em seu olho cego, alegando que não conseguia ver o sinal. Ele disse: “Eu só tenho um olho – tenho o direito de ser cego às vezes”.

READ  Armaduras Medievais V

A essa altura, a artilharia britânica superior estava atacando a parte sul da linha de Fischer. Cada navio se rendeu sucessivamente. À medida que as guarnições dinamarquesas se moviam para tripular os navios, as baterias silenciaram. 2 navios dinamarqueses, o navio de defesa de 20 canhões Aggershuus e a chalupa de 20 canhões Nyborg, afundou tentando fugir. Fischer mudou de navio duas vezes, depois mudou-se para o forte. Às 16:00, um cessar-fogo foi assinado. Às 16h30, o Dannebrog de 64 canhões explodiu, matando 250 homens. Os 3 navios britânicos que encalharam foram gravemente danificados. Nelson os recuperou.

O esquadrão de Nelson perdeu 264 mortos, 689 feridos. Fischer perdeu 1.600-1.800 mortos/feridos, 1 navio da linha e 2 navios afundados, 6 navios da linha e 6 outros navios cativos. Faltando equipes de prêmio, Nelson queimou todos, exceto Holsteen de 64 canhões.

Em 3 de abril, Nelson desembarcou em Copenhague. Ele garantiu um armistício indefinido. Logo depois, chegaram notícias do assassinato do czar Pavel I. A Dinamarca estava livre de suas obrigações de tratado com a Rússia na Liga da Neutralidade Armada.

Fonte:

https://www.rebellionresearch.com/who-won-the-battle-of-copenhagen-1801-more-royal-navy-19th-century-dominance?fbclid=IwAR37kjOnhlW5G1KhSfA7OjVqyFP5o3pSd0qeOvJpSa5d4lFIElt3gsn38UU

Tradução e adaptação: Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.