Início » Artigos » Aliados » Fornovo di Taro: A rendição alemã para o Exército brasileiro

Fornovo di Taro: A rendição alemã para o Exército brasileiro

Prof. Esp. Pedro Silva Drummond

A Segunda Guerra Mundial iniciou-se em 1939, após a invasão da Alemanha à Polônia, desencadeando um conflito que durou até 1945. O Brasil declara guerra ao Eixo em 1942, após diversos navios serem afundados pela Alemanha. Após dois anos da declaração de guerra, 1944, o Brasil envia à Europa a FEB (Força Expedicionária Brasileira), com um contingente de 25.000 homens que desembarcaram na Itália para o Teatro de Operações no Mediterrâneo.

Na Itália, a FEB se uniu ao IV Corpo do Exército dos Estados Unidos, que integrava o V Exército dos EUA, com o intuito de libertar a Itália, derrotando os alemães e não permitindo os deslocamentos das tropas alemães para outros Países da Europa.

Nesse período o Brasil conquistou grandes vitórias na guerra, como as tomadas de Monte Castelo e Montese e a rendição da tropa alemã em Fornovo di Taro.

A conjuntura que ocorreu a rendição em Fornovo di Taro, é final de conflito na Itália para o Brasil. Nos dias que ocorreram a rendição, a FEB já tinha saído vitoriosa em Monte Castelo (21 de Fevereiro de 1945), Montese (14 de Abril de 1945) e outros territórios, antes da rendição das tropas alemãs em Fornovo di Taro, em 30 de Abril de 1945, e poucos meses antes da volta dos primeiros soldados para o Brasil (18 de Julho de 1945).

O envio das tropas brasileiras para a região de Fornovo di Taro ocorreu após o início da Operação Grapeshot ou Ofensiva da Primavera, que objetivava derrotar as tropas do Eixo estabelecidas no Vale do Pó, antes que pudessem sair da Itália.

No dia 26 de Abril de 1945, as tropas brasileiras iniciaram os ataques. No dia seguinte, surge uma figura central na rendição das tropas alemãs, o padre de Neviano di Rossi, Dom Alessandro Cavalli, que mediou à rendição, desejando evitar mais derramamento de sangue.

Depois de muitas discussões, no final do dia 28 de Abril, as tropas alemãs aceitaram se render. O Major Kuhn compareceu no Posto de Comando Brasileiro, com uma bandeira branca, e após as discussões sobre a forma da rendição. O restante das tropas compostas pela 148ª Divisão de Infantaria, 90ª Divisão Panzergrenadier e de italianos da Divisão Bersaglieri, totalizando cerca de 14.779 homens, 4.000 cavalos, 2.500 viaturas e 80 canhões acabaram se rendendo.

A rendição gerou diversos elogios a FEB, como o feito pelo General Mark Clark, Comandante do V Exército de Campanha:

“Foi magnífico o final de uma atuação magnífica”.

Quer saber mais sobre a Segunda Guerra Mundial, leia os artigos sobre o Graf Spee e a Batalha do Rio da PrataPortugal na Segunda Guerra Mundial: As motivações para a Neutralidade e os posts sobre Jorge Sanjinez Lenz: Quem foi o peruano que lutou no dia D?, Operação NeulandClasse Fletcher: O Melhor Destroyer da Segunda Guerra Mundial ,RatlinesBlitzkriegDia D – O mais longo dos diasOperação DínamoI52: Submarino Japonês afundado no Oceano AtlânticoSoldados da BorrachaSupermarine SpitfireWilhelm CanarisCanhão de 88 mm, você pode navegar por este link, no nome do texto ou pelas categorias do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *