O futuro da Ucrânia, segundo Dmitry Medvedev

de

Rodolfo Queiroz Laterza¹ e Ricardo Cabral²

O HMD vai reproduzir trechos da reportagem de Tanmay Kadamamos, reproduzir mapas, atribuídos a Dmitry Medvedev, publicados na edição de 30 de julho de 2022, no The Eurasian Times.

Dmitry Medvedev, Vice -presidente do Conselho de Segurança da Rússia e ex –presidente, publicou dois mapas para ilustrar o que ele acredita que seria o destino da Ucrânia, diferente do que seria a Nova Rússia, que Vladimir Putin imagina. Segundo Medvedev, a Ucrânia provavelmente seria reduzida a Kyiv e suas áreas circundantes e a porção incorporada a Rússia seria bem maior.

Em 27 de julho de 2022, Medvedev compartilhou dois mapas em um post no Telegram, o primeiro mostrando o território ucraniano antes da crise da Ucrânia de 2014, que inclui a Crimeia e as duas regiões orientais de Donetsk e Luhansk.

“Na mente do presidente da Ucrânia, danificada por substâncias psicotrópicas, é assim que será o mapa do futuro brilhante de seu país”, escreveu Medvedev sobre o primeiro mapa em seu correio de telegrama.

“Na mente do presidente da Ucrânia, danificada por substâncias psicotrópicas, é assim que será o mapa do futuro brilhante de seu país”, escreveu Medvedev sobre o primeiro mapa em seu correio de telegrama.

https://eurasiantimes.com/russia-releases-future-map-of-ukraine-absorbs-the-rest/

Enquanto o segundo mapa mostrou que o território da Ucrânia foi reduzido a Kyiv e a uma pequena área circundante, com sete regiões a West anexadas pela Polônia e três no sudoeste pela Hungria e Romênia. O resto do país foi totalmente absorvido pela Rússia.

Conforme representado no mapa, as sete regiões anexadas pela Polônia incluem Lviv, Lutsk, Ternopil, Ivano-Frankivsk, Rivne, Khmelnytskyi e Zhytomyr. A Romênia deve ter anexado duas regiões, a saber, Chernivtsi e Vinnytsia, e a Hungria mostra-se anexado a Uzzhorod.

https://eurasiantimes.com/russia-releases-future-map-of-ukraine-absorbs-the-rest/

“Os analistas ocidentais acreditam que será assim, na verdade”, disse ele sobre o segundo mapa sem especificar com precisão quem seria o ‘analista ocidental’. O restante do território ucraniano é rotulado como “Rússia”, na fronteira com a Moldávia.

Kadamamos designa Medvedev como o reformista que virou um hawkish (um falcão, na linguagem política costumeira, vinculado a ações de política externa hard power e pautadas pelo uso da força na resolução das controvérsias). Os dois mapas divulgados por Medvedev são os mais recentes da série de observações no padrão hawkish feitas pelo ex -presidente russo em seus canais do Telegram desde o início da invasão russa da Ucrânia.

Medvedev era considerado um reformista no Ocidente, entretanto o atual vice -presidente do Conselho de Segurança da Rússia adotou um tom cada vez mais beligerante desde o início da invasão russa da Ucrânia.

Em 7 de junho, ele lançou uma postagem em seu canal muito ameaçadora, na qual se referiu aos inimigos da Rússia como “bastardos e geeks” que “querem morte para a Rússia” e prometeu que, desde que ele esteja vivo, ele “fará tudo para fazê-los desaparecer. ”

“Parece que Dmitry Medvedev está tentando demonstrar sua relevância – e lealdade – em um sistema que se tornou marcadamente mais falcão e menos tolerante com os tons de cinza”, disse recentemente, Ben Noble, professor associado de política russa da University College London, no artigo intitulado “Os tempos de Moscou”.

Até agora, a Rússia conseguiu colocar a região de Luhansk sob seu controle total e atualmente está focado em capturar Donetsk, após o qual toda a região de Donbass estará sob a ocupação russa, alcançando o objetivo de “libertar” as repúblicas de Donbass.

Além disso, os militares russos também controlam algumas partes do nordeste da região de Kharkiv e amplas partes das regiões de Kherson e Zaporizhzhia no sul, em 27 de julho.

https://twitter.com/War_Mapper/status/1553531848277606400/photo/1

O mapa acima mostra as regiões ocupadas até o início da operação especial e as ocupadas atualmente (em 31/7/2022).

Kadamamos afima que “especialistas” sugerem que Moscou pode declarar a “operação especial” bem-sucedida depois de assumir o controle das repúblicas de Donbas, que o presidente Putin poderia vender como uma vitória para o povo russo.

O presidente Putin disse em junho que o “objetivo geral” da operação militar da Rússia na Ucrânia é libertar a região de Donbass, proteger seu povo e criar condições que garantirão a segurança da Rússia.

No entanto, a julgar pelos mapas divulgados por Medvedev (e pelas recentes declarações de Sergei Lavrov, ministros das Relações Exteriores da Rússia, observação nossa), não parece que a Rússia irá se contentar apenas com algumas províncias no sul e leste da Ucrânia. Conforme foi declarado no início da operação militar especial da Rússia, o objetivo final do presidente Vladimir Putin é a “desnazificação” da Ucrânia. “Acho que o plano da Rússia agora é capturar Donbas e ver o que eles podem fazer a seguir”, disse Oleg Ignatov, analista sênior do Crisis Group, da Rússia, à Newsweek.

Contra-ataque ucraniano

Enquanto isso, as Forças Armadas da Ucrânia (FAU) lançaram uma contra-ofensiva no sul para recuperar Kherson, que está ganhando impulso, conforme uma atualização de inteligência do Ministério da Defesa do Reino Unido (MoD) de 28 de julho.

Em 19 de julho, as forças ucranianas usaram o Sistema de foguetes de lançamento múltiplo HIMARS (MLRS) para atingir a ponte Antonovsky, uma travessia crucial do rio que conecta Kherson e Crimeia. A ponte percorre o rio Dnieper e é uma rota de fornecimento importante para o exército russo fornecer áreas que ocupou a oeste da ponte.

Além disso, a partir de 27 de julho, as forças ucranianas provavelmente estabeleceram uma ponte ao sul do rio Ingulets, que forma o limite norte do Kherson ocupado pela Rússia, conforme a atualização de inteligência do MoD do Reino Unido. Conforme mostrado no mapa abaixo.

De acordo com o MoD do Reino Unido, o 49º Exército da Rússia, estacionado na margem oeste do rio Dnieper, parece vulnerável. Além disso, a cidade de Kherson, que é politicamente e simbolicamente crucial para a Rússia, é praticamente cortada dos outros territórios ocupados. Kherson foi a primeira cidade da Ucrânia a ser capturada pelas forças russas após sua invasão em fevereiro.

Análise do HMD

O segundo mapa postado por Medved mostrou que o território da Ucrânia foi reduzido a Kyiv e a uma pequena área circundante, com sete regiões a West anexadas pela Polônia e três no sudoeste pela Hungria e Romênia. O leste e o sul da Ucrânia foi totalmente absorvido pela Rússia. Até o momento, a OTAN e a União Europeia não admitem mutilações no território ucraniano e sua incorporação por outros países, aliados ou não. Acreditamos que a OTAN e a União Europeia na busca de uma solução diplomática, in extremis podem concordar com a criação de um novo país no Donbass e no Sul, sem incorporação à Rússia, como tem sido ventilado na imprensa.

Com relação a aprte militar, em nosso entendimento, pelo ritmo das operações, existe a possibilidade da Rússia terminar a conquista de Donestk, até o outono.

No oblast de Karkhiv, somente a região fronteiriça está sob controle russo. Em Zaporizhia  e Kherson a ocupação também é parcial (margem leste do Dnipre).

Existe um consenso entre os analistas russos, que sem aumentar o esforço militar, a probabilidade de novas conquistas se tornaram mais lentas, prolongando a guerra.

Kharkiv é uma cidade de 1.5 milhão de habitantes e um denso núcleo urbano, sua conquista exige um efetivo maior do que empregado até o momento. No sul Mykolaiv (500 mil habitantes) e Odessa (mais de 1 milhão de habitantes) também exigirão mais recursos militares. A estratégia russa de avanços curtos terá que mudar, quando chegar nesses núcleos e, provavelmente, não serão realizadas simultaneamente.

Com relação a Ucrânia, o presidente Zelensky ordenou a retirada da população civil de Donetsk, assumindo social e institucionalmente a derrota. Ao que parece pretende concentrar os seus esforços militares ao sul, a fim de recapturar o máximo possível do território de Kherson. A situação até agora está estável, pois os russos estão conseguindo conter as investidas ucranianas, tal como ocorrido em julho, quando conseguiram repelir sete tentativas de formação de cabeças de ponte por parte da Ucrânia no perímetro de Mikolayev-Krivoy Rog. Não é a primeira vez que o MoD britânico e ucraniano são muito otimistas em relação as capacidades ucranianas em obter vitórias ou reconquistar parte do território perdido, diferentemente de abordagens mais cautelosas de alguns setores da inteligência norte-americana, como o Departamento de Estado ou Pentágono, que veem problemas na estrutura de comando das Forças Armadas da Ucrânia e dificuldade com perdas muito significativas de recursos humanos e militares.

https://s2.cdnstatic.space/wp-content/uploads/2022/07/31uly2022_Ukraine_map.jpg

Em nossa análise, verificamos que os ucranianos não dispõe suficientemente de main battle tank (MBT), blindados, sistemas de defesa aérea, sistemas de artilharia (obuses autopropulsados e rebocados, bem como MLRS, mesmo com a cessão de cerca de 18 HIMARS bastante eficazes) e tropas bem treinadas suficientes para sobrepujar as forças russas, neste momento, em que pese a esmagadora superioridade numérica de efetivo (à proporção de 6:1 perante as forças russas). Existe também a questão da superioridade aérea russa, que tira a liberdade de movimento e a concentração de tropas dos ucranianos, que operam diariamente ao máximo de 20 surtidas e com pouco efeito tático. Além disso, a liderança militar ucraniana não tem se mostrado criativa e eficiente ao não promover retiradas táticas em situações de cerco operacional, mantendo linhas de defesa condenadas à destruição por barragem de fogo de contra-bateria de sistemas de artilharia russa e ataques aéreos da VKS (que promovem mais de uma centena de surtidas diariamente), gerando perdas humanas irrecuperáveis de unidades que poderiam ser melhor reposicionadas e realocadas para outros possíveis fronts menos concentrados por tropas russas e separatistas.

Os interesses geopolíticos pautados pela resolução, através de meios puramente militares, se tornaram preponderantes perante a diplomacia, não havendo sequer um esforço sério para um cessar-fogo imediato que atenue os danos à população. O prolongamento do conflito é uma realidade difícil de prever quanto à resolução definitiva, porém com prejuízos imensuráveis a todas as partes envolvidas.

Imagem de Destaque: https://www.limesonline.com/

Autores:

¹Delegado de Polícia, historiador, pesquisador de temas ligados a conflitos armados e geopolítica, Mestre em Segurança Pública

² Mestre e Doutor em História Comparada pelo Programa de Pós-Graduação em História Comparada (PPGHC) da UFRJ, professor-colaborador e do Programa de Pós-Graduação em História Militar Brasileira (PPGHMB – lato sensu), da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO e Editor-chefe do site História Militar em Debate e da Revista Brasileira de História Militar. Website: https://historiamilitaremdebate.com.br

Fontes

https://s2.cdnstatic.space/wp-content/uploads/2022/07/31uly2022_Ukraine_map.jpg

https://twitter.com/War_Mapper/status/1553531848277606400/photo/1

Russia Releases ‘Future Map’ Of Ukraine; Reduces Europe’s Biggest Country To Kyiv While Russia Absorbs The Rest

https://odysee.com/@SputnikBrasil:8

https://www.reuters.com/

https://worldview.stratfor.com/

Homepage

https://www.limesonline.com/

Sobre o autor

Rodolfo Queiroz Laterza

Mestre em Segurança Pública, historiador, pesquisador de geopolitica e conflitos armados.

Deixe um comentário

Gostou dos artigos e postagens?

Quer escrever no site?

Consulte nossas Regras de Publicação e em seguida envie seu artigo.

Siga-nos nas Redes Sociais