Início » Artigos » Brasil » O recrutamento para a Guerra do Paraguai: alguns apontamentos

O recrutamento para a Guerra do Paraguai: alguns apontamentos

Prof. Alessandro Mendonça Reis

O recrutamento para a Guerra do Paraguai (1864-1870) provocou no Exército Brasileiro a inserção de homens de quase todas as regiões do país, numa visão integradora. A formação dos batalhões de Voluntários da Pátria deu conta disto.

É possível verificar também a interferência na ordem privada quanto à convocação da Guarda Nacional, sendo esta prestadora de serviço para o poder local.

A utilização dos escravos na guerra foi também um fator delicado na relação dos grandes proprietários com o poder central, mesmo que os homens livres e pobres fossem a meta principal do governo. A ida do escravo para guerra consiste em um dos motivos de insatisfação por parte das elites escravocratas, pois estava em jogo a interferência do Estado sobre a propriedade privada, proporcionando assim uma ambiguidade no sistema político.

A Guerra do Paraguai mexeu na estrutura social vigente, afinal interferiu nas questões econômicas, privadas, sociais e políticas promovendo também desgaste do governo imperial com os grupos dominantes do país. O recrutamento do contingente para o conflito determinou junto com todo o processo instaurado os rumos sócios econômicos no Império após o seu término, principalmente quando os escravizados entraram na ação. Devemos frisar que o recrutamento dos cativos proporcionou aceitar libertos em lugar dos guardas nacionais, aliciamento dos escravizados sem que o proprietário consentisse, além de admitir os fugidos.

Quer saber mais sobre a Guerra do Paraguai, leia os posts A 1º Batalha do TuiutiBatalha do Riachuelo, você pode navegar por este link, no nome do texto ou pelas categorias do site

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *