Início » Artigos » Batalha de Eddington » Vikings I

Vikings I

Começando em 793 d.C. e continuando pelos próximos 300 anos, os vikings invadiram regiões costeiras e interiores da Europa e conduziram o comércio até o Império Bizantino no leste, servindo até mesmo como guarda varangiana de elite para o imperador bizantino.

Os ataques vikings às comunidades cristãs, como os dos hunos no Império Romano séculos antes, foram interpretados pelos cristãos europeus como a ira de Deus sobre seu povo por seus pecados. Na Grã-Bretanha, Alfredo, o Grande (871-899 d.C.) instituiria suas reformas na educação para melhorar seu povo e apaziguar seu Deus. Ele também fez do batismo na fé cristã uma estipulação dos tratados com os vikings. Quando Alfredo derrotou o exército Viking sob Guthrum na Batalha de Eddington em 878 d.C., Guthrum e 30 de seus chefes tiveram que se submeter ao batismo e conversão.

Carlos Magno na França (800-814 d.C.) seguiu um curso muito mais ativo na tentativa de cristianizar os escandinavos por meio de campanhas militares que destruíram locais sagrados para a crença nórdica e estabeleceram o cristianismo como uma fé inimiga de um povo hostil. Os esforços de Carlos Magno foram citados por vários historiadores como a principal motivação para a selvageria dos ataques vikings, mas esta afirmação não leva em consideração os ataques à Grã-Bretanha e Irlanda entre 793-800 d.C. Há pouca dúvida, no entanto, que as guerras religiosas de Carlos Magno pouco fizeram para encorajar a aceitação do Cristianismo pelos escandinavos e apenas levaram à animosidade  maior.

Fonte: My Lineage – Link: https://www.instagram.com/p/CSKk2g2raqt/

Vikings II

A guerra Viking, junto com seu componente principal de invasão, está inextricavelmente conectada com a expansão da influência escandinava ao longo do Atlântico Norte e no Mediterrâneo na Era Viking (c. 790-1100 d.C), onde o uso intenso de navios pelos Vikings, boa mobilidade estratégica e forte domínio de logística garantiram que eles pudessem causar estragos no exterior por anos a fio.

No que diz respeito a armamentos e armaduras, dependemos muito dos registros arqueológicos, pois não há muitas descrições técnicas nas fontes. Os combatentes da Escandinávia na Era Viking usavam as seguintes armas e armaduras: espadas (de um ou dois gumes), machados e machados de batalha, punhais (ou uma espada curta / sax / seax comum entre os povos germânicos nessa época), lanças , arcos e flechas, escudos, capacetes e camisas de cota de malha de ferro.

Com bandos de guerra Viking vindos de regiões diferentes da Escandinávia, existem tendências gerais, mas obviamente muitas variações regionais e nada como um traje padrão. Camisas de cota de malha feitas de anéis de ferro interligados são conhecidas, mas raras – possivelmente muito caras para serem usadas por qualquer lutador – e embora couro possa ter sido usado em vez disso, é difícil dizer exatamente o quão comum era uma armadura de couro.

Fonte: My Lineage – Link https://www.instagram.com/p/CSM_3Fqr4ES/

Vikings III

Por volta de 800 d.C. até o século XI, um grande número de escandinavos deixou sua terra natal para buscar fortuna em outro lugar. Esses guerreiros navegantes – conhecidos coletivamente como Vikings ou Norsemen (“Homens do Norte”) – começaram invadindo locais costeiros, especialmente mosteiros indefesos, nas Ilhas Britânicas. Nos três séculos seguintes, eles deixaram sua marca como piratas, invasores, comerciantes e colonos em grande parte da Grã-Bretanha e no continente europeu, bem como em partes da atual Rússia, Islândia, Groenlândia e Terra Nova.

A origem da palavra ‘Viking’ ainda é debatida por estudiosos. Em seu livro, “The Great Courses: The Vikings”, o professor Kenneth W. Harl representa a visão tradicional de que o viking “vem do vik nórdico, o que significa uma enseada ou pequeno fiorde, um lugar onde piratas podem espreitar e atacar navios mercantes” . Durante a época medieval, outras culturas se referiam a essas mesmas pessoas por nomes diferentes – mas nenhuma os chamou de vikings. Os registros irlandeses os chamam de pagãos ou simplesmente estrangeiros, os franceses os chamam de homens do norte, os eslavos os chamam de Rus (o que deu o nome à Rússia) e os alemães os conheciam como Ashmen em referência ao uso de madeira de freixo para seus barcos.

 Os próprios vikings usavam a palavra para se referir à atividade de ataques armados em outras terras com o propósito de saque. A frase em nórdico antigo fara i viking (“ir em expedição”) tinha um significado distintamente diferente de fazer uma viagem marítima para fins de comércio legítimo. Quando alguém decidia “se tornar um viking”, estava anunciando sua intenção de participar do ataque a alvos lucrativos em outras terras.

Fonte: My Linage – Link: https://www.instagram.com/p/CSHzvtRrN4B/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *