Pular para o conteúdo

A Cruzada Germânica ou do Imperador (1197-1198 d.C.)

A Cruzada Alemã ou Germânica ou do Imperador, de 1197 d.C., foi liderada pelo Sacro Imperador Romano-Germânico, Henrique IV, que tinha um excelente antecessor cruzado, pois seu pai era Frederico I Barbarossa, que havia reunido um enorme exército como parte da Terceira Cruzada. Infelizmente, Frederico havia morrido a caminho da Terra Santa em algum lugar no sul da Cilícia.

Um empreendimento que ajudou Henrique IV em suas ambições orientais foi a aquisição de Chipre, dada a ele como parte do enorme resgate pago pela libertação de Ricardo I, rei da Inglaterra, que havia sido mantido em cativeiro por Henrique IV de 1192 a 1194 d.C. acusado de alguma forma estar envolvido no assassinato de Conrad de Montferrat.

Conrad, o rei de Jerusalém, morreu misteriosamente dias antes de sua coroação oficial em abril de 1192 d.C., e muitos apontaram o dedo para Ricardo, inclusive Henrique IV. Chipre provaria ser um ponto de partida valioso para muitas cruzadas futuras. Henrique IV já controlava a Sicília – sua esposa Constance era a herdeira – e, portanto, com mais algumas aquisições no Levante e a subjugação financeira dos bizantinos, Henry pode ter previsto a criação de um império Hohenstaufen que se estendia por todo o Mediterrâneo.

Em dezembro de 1195 d.C., com o apoio do Papa Celestino III, o próprio Henrique distribuiu cruzes aos novos cruzados na Catedral de Worms. Gradualmente, à medida que os pregadores percorriam a Alemanha, a Inglaterra e a França em busca de recrutas, o imperador montou um exército para sua cruzada, embora a maioria dos guerreiros viesse de terras alemãs. Nobres importantes que se juntaram à aventura incluíram o Duque Henrique, do Brabante, o Conde Henrique, do Palatinado, o Duque Frederico, da Áustria, e os Duque da Dalmácia e da Caríntia.

A data de partida da Cruzada foi marcada para o Natal de 1196 d.C. Partindo da costa do Mar do Norte, os cruzados fizeram escala em Portugal. A frota, transportando cerca de 4.000 cavaleiros e 12.000 infantes, reuniu-se em Bari, no sul da Itália, no verão de 1197 d.C. Em 22 de setembro, a força alemã chegou a Acre, na Terra Santa, e foi um momento oportuno, pois os estados cruzados, ou Oriente latino, como eram conhecidos coletivamente, enfrentavam duas crises. A primeira, foi a morte inesperada, 12 dias antes da chegada dos alemães, de Henrique II, Conde de Champagne, rei do Reino de Jerusalém. O rei caiu de uma janela bizarramente enquanto revisava as tropas no Acre, arrastado por um anão artista que havia caído acidentalmente (ou vice-versa, dependendo da versão da história). O rei morreu de seus ferimentos – a maioria dos quais foi causada pelo anão pousando nele – e deixou o Oriente Latino temporariamente sem um líder geral. A viúva de Henrique II, a rainha Isabel, tecnicamente ainda estava no trono, mas seus filhos não eram maiores de idade e todas as meninas. Consequentemente, os cruzados pressionaram por um novo casamento de conveniência política e estratégica. A escolha deles foi Aimery de Chipre (também conhecido como Amalric), e o casamento unificaria assim os dois reinos de Chipre e Jerusalém. Também significaria que, como Henrique VI havia dado a Aimery seu trono em Chipre, o imperador teria seu protegido como o governante mais importante do Oriente latino. Assim foi, e o casamento entre Isabella e Aimery ocorreu em janeiro de 1198 d.C.

A segunda crise era o fim da trégua acordado com a Dinastia Aiúbida. Al-Adin já havia vencido seu sobrinho em Damasco e encontrou tempo para repelir um grupo inicial de cruzados que havia invadido a Galiléia. Al-Adin então se mudou para cercar Jaffa, que caiu depois de apenas alguns dias. A guerra entre cristãos e muçulmanos estava de novo.

READ  O surgimento da aviação de combate

O principal exército dos cruzados não perdeu tempo e, depois de assumir o controle da agora arruinada Sidon, eles prontamente iniciaram um cerco bem-sucedido ao importante quartel-general muçulmano em Beirute, deixando Jaffa à sua sorte no momento. Em 28 de novembro de 1197 d.C., cercaram  a cidade de Toron. Esta provou ser mais difícil de conquistar do que Beirute, e os cruzados foram obrigados a se estabelecer para um verdadeiro cerco. A Cruzada sofreu um golpe esmagador quando  chegaram notícias da Sicília sobre a morte de Henrique VI de malária em Messina. Foi uma repetição extraordinária e trágica da história, com imperadores pai e filho tendo morrido na Cruzada antes mesmo de chegarem à Terra Santa.

Sem seu líder e preocupados com o que poderia acontecer agora na Europa e diante de uma sucessão contestada, os cruzados abandonaram o cerco de Toron em 2 de fevereiro de 1198, a maior parte do exército alemão então navegou de volta para casa.

O herdeiro de Henrique IV era seu filho de três anos Frederico, um acordo foi acordado entre Aimery e al-Adil para manter uma trégua por 5 anos e 8 meses de julho de 1198 a 1204 CE. Sob os termos do acordo, os cristãos manteriam Beirute e os muçulmanos Jaffa. O Imperador Bizantino Aleixo III deve ter ficado muito satisfeito ao saber da morte de Henrique e se viu com um estoque útil de dinheiro que agora não precisa entregar, mas que podia manter para algum outro propósito. Os estados latinos ficaram um pouco mais desapontados com outra oportunidade perdida de fortalecer seu domínio nas áreas costeiras da Palestina e da Síria, mas pelo menos havia a esperança de uma nova cruzada. Outro ponto positivo para os cristãos foi que a ordem militar dos Cavaleiros Teutônicos foi oficialmente estabelecida e reconhecida pelo Papa.

READ  Gertrude Bell: a guerra secreta no Oriente Médio

Ordens religiosas, como os Cavaleiros Templários e os Cavaleiros Hospitalários, eram, acima de tudo, famosa por seus cavaleiros bem treinados e bem armados, bem como por suas robustas fortalezas. Os cavaleiros teutônicos usavam cruzes pretas sobre fundo branco ou com borda branca. Essas cruzes podem aparecer em escudos, túnicas brancas, capacetes e flâmulas. Os meio-irmãos usavam cinza em vez do branco completo reservado para cavaleiros.

Imagem de Destaque: https://www.medievalists.net/2015/03/the-german-crusade-of-1197-1198/

Fonte:

https://www.instagram.com/p/CYcK5AXvBXr/

https://www.instagram.com/p/CYj7sgXuPNm/

https://www.instagram.com/p/CYpHWPAPafQ/

Tradução e adaptação Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.