Pular para o conteúdo

A expansão Mongol e a Batalha do Rio Kalka (1223)

No início do século XIII, um novo poder estava surgindo no leste. Na vasta extensão de terra conhecida como Estepe, surgia, esporadicamente, bandos indomáveis ​​de guerreiros que abalavam as bases das sociedades estabelecidas, que gostam de se chamar de mundo civilizado, desde os medos, desempenhando seu papel no colapso do Império Assírio até os hunos desencadeando a grande migração que foi um dos fatores que fizeram com que o Império Romano se desintegrasse no Ocidente. Oito séculos depois os exércitos de Átila só forma derrotados por romanos e godos para garantir a última vitória de Roma. No fim do século XII, Gêngis Khan conseguiu unir as várias tribos mongóis sob sua liderança. Os chineses passaram séculos garantindo que essas tribos fossem mantidas divididas, e o vasto exército sob Gêngis Khan logo varreu o reino de Xia e depois para o grande Império Jin (ou Chin) ao norte, iniciando as hostilidades contra os Song ( ou Sung). Império mais ao sul a ser conquistado pelas gerações futuras com a instalação da Dinastia Yuan de Kublai Khan.

Em vez disso, a atenção de Gêngis foi direcionada para o oeste, para a terra dos muçulmanos, onde o xá Khwarezmian havia assassinado uma delegação de seus embaixadores sob o pretexto de que eram espiões. A ira do Khan se voltaria para o grande império que se estendia por grande parte da Ásia central, e em três anos o Império Khwarezmian seria totalmente destruído, o xá teve uma morte miserável em uma ilha no mar Cáspio enquanto fugia dos conquistadores de seu império. O brilhantismo militar de Genghis Khan foi aprimorado por aqueles em quem confiava, tendo uma seleção de grandes generais para complementar seus talentos, assim como Alexandre, o Grande, teve seu Diadochi um milênio antes e Napoleão teria seus marechais séculos depois. Dois desses generais, Jebe e Subutai (ou Tsubodai), pediram permissão para passar vários anos se aventurando no oeste com seus tumans (unidades de 10.000 soldados mongóis/arqueiros a cavalo) para depois retornar à Mongólia através do Cáucaso. Seus 20.000 guerreiros deixaram um rastro de destruição através do Iraque persa e do Azerbaijão, saqueando Rey, Zanjan e Qazvin, enquanto Hamadan se rendeu, e o líder do Azerbaijão pagou um enorme tributo para proteger sua capital. A destruição não se deveu apenas ao escravizar e massacrar faixas da população, mas tomar gado, arruinar terras cultiváveis, até estragar sistemas de irrigação, com um impacto que deixaria uma parte do mundo formalmente avançada, atrasada por séculos. À medida que o exército mongol avançava mais para o oeste, mercenários curdos e turcomanos aumentaram suas fileiras.

https://www.facebook.com/photo/?fbid=10103491591095862&set=pcb.1346661675827001

No início de 1221, Subutai havia viajado pelo rio Kura para reconhecer a Geórgia, embora o rei George IV Lasha os tivesse levado de volta para perto de Tbilisi. Em vez disso, eles invadiram novamente o Azerbaijão, usando mercenários e escravos para suportar o peso de cercos enquanto se preparavam para avançar ao sul, para Bagdá, a capital do califado abássida que esperavam conquistar. Em vez disso, eles se voltaram contra Hamadan, e a cidade que haviam poupado anteriormente foi surpreendentemente incapaz de levantar um novo tributo depois de esgotar seus suprimentos, e foi brutalmente saqueada. O Mongol entrou na Geórgia novamente, onde Jebe fingiu uma retirada para atrair o exército georgiano-armênio de 30 mil homens para persegui-lo. À medida que o exército se espalhava, Jebe fechou a armadilha e aniquilou o exército inimigo na Batalha de Khunan, em setembro de 1222. Os mongóis avançaram em Derbent, poupando a cidade em troca de dez guias para conduzi-los através do Cáucaso, executando imediatamente um para dissuadir os nove restantes da traição. Apesar disso, a travessia da montanha foi árdua, com os mongóis abandonando a maior parte de seus equipamentos de cerco e perdendo muitos homens. Eles saíram das montanhas apenas para serem confrontados com um exército de 50 mil composto por várias tribos regionais, incluindo os cumanos, búlgaros e cazares. A batalha inicial foi indecisa, embora os mongóis tenham persuadido os cumanos a abandonar a aliança, com promessas de saque e memórias de antigas alianças turco-mongóis. Sua partida permitiu que os mongóis derrotassem o exército restante. Depois atacaram os cumanos que estavam voltando para casa, destruindo os dois exércitos e executando todos os prisioneiros antes de saquear Astrakhan. A cultura mongol não apenas premiava a honra, pois enganar com sucesso um inimigo, também era visto como uma característica admirável.

READ  A Cruzada Germânica ou do Imperador (1197-1198 d.C.)

Os venezianos concordaram em uma aliança com os mongóis, que sem dúvida se sentiam seguros na Itália, com os mongóis concordando em destruir outros postos comerciais europeus que cruzaram. Jebe enviou um destacamento para a Crimeia, onde o general tinha postos comerciais e saquearam a cidade de Soldaia. Quando chegaram a Kiev, notícias de que os mongóis estavam marchando ao longo do rio Dniester, levaram os príncipes da Rússia a mobilizarem suas forças para impedir seu avanço. Não há certeza sobre o tamanho das forças, com os aliados provavelmente aumentando o exército mongol para cerca de 23.000, com o exército russo entre 30.000 e 80.000.

https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/

Alguns historiadores modernos acreditam que os mongóis detinham a vantagem numérica, mas os guerreiros da estepe fizeram um grande esforço para evitar um ataque frontal. Os tumans a leste do Dnieper aguardavam reforços do filho mais velho de Gêngis, Jochi, que estava em campanha ao redor do mar de Aral, embora sem que soubessem ele havia adoecido. Os russos viajaram para o sul no rio para prender os invasores, avançando para o norte e confiando nos cumanos para atacar sua retaguarda. Jebe e Subutai marcharam para o leste, afastando-se da Rússia para evitar serem cercados, deixando uma retaguarda de 1.000 homens para servir de isca e monitorar seu inimigo. O exército russo estava desarticulado sem nenhum comandante geral, e um dos príncipes sofreu pesadas baixas ao forçar a travessia do rio, embora, eventualmente, fosse derrotado pela retaguarda mongol.

https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/

A retirada fingida durou nove dias, atraindo o exército rus ao longo do rio Kalka, antes que os mongóis se virassem para enfrentá-los perto do rio Kalchik. Os mongóis atacaram a coalizão com a maioria deles através do Kalka, pegando-os de surpresa com suas transições suaves dos ataques pungentes de arqueiros a cavalo salpicando-os com flechas para interromper suas formações para cargas de cavalaria em massa que esmagariam seus soldados vacilantes. A derrota começou logo após o início da batalha, com aqueles na retaguarda da força ainda não tendo chegado quando encontraram a maior parte do exército se desintegrando. Uma brecha foi feita para os cumanos recuarem, apenas para os mongóis também atacarem e envolverem os russos.

https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/

Alguns dos russos nem sabiam que a batalha havia começado quando entraram em confronto com os cumanos em retirada, com os mongóis usando bombas de fumaça para aumentar a confusão enquanto atacavam as fileiras caóticas e mataram o príncipe Mstislav, de Chernigov. As alas mongóis se fecharam ao redor dos russos destroçados para interromper sua retirada, despejando rajadas incessantes de flechas na formação compacta antes de atacar eles enquanto se dobravam. Mstislav, o Temerário, foi um dos poucos homens a escapar da carnificina, trazendo parte da força para seu acampamento no Dnieper, apenas para ser imediatamente sitiado. Ele resistiu por três dias antes que um suposto aliado o enganasse para deixar o acampamento, momento em que Mstislav, de Kiev, e os outros nobres importantes foram executados pelos mongóis. Não querendo derramar seu sangue “azul”, eles foram enterrados e sufocados sob a plataforma dos generais na festa da vitória dos mongóis.

https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/

Fontes contemporâneas registram 50.000 russoss mortos na Batalha do Rio Kalka, ou que apenas um em cada dez conseguiu voltar para casa. Aqueles que lutavam estavam de costas para o rio e sem linha de retirada, e apenas dois dos príncipes escaparam. A população estava aterrorizada com esse grande flagelo que agora marchava por suas terras para infligir horror com aço e fogo, mas, em vez disso, os mongóis marcharam para o leste, desaparecendo tão repentina e misteriosamente quanto apareceram.

https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/

Os mongóis cruzaram o Volga e derrotaram os búlgaros, depois lutaram e derrotaram os cumanos para exigir tributo. Os tumans de Jebe e Subutai então encontraram Gêngis a leste do rio Syr Darya, com o Cã elogiando seus generais triunfantes. A expedição foi o mais longo ataque de cavalaria da história, com os mongóis percorrendo 8.900 km em três anos. Jebe morreu logo após a campanha, embora Subutai tenha deixado espiões na Rússia e além, para mantê-lo informado dos acontecimentos na Europa. Os russos voltaram à complacência assim que a ameaça se foi, e confiaram que Deus os havia livrado desse grande mal para descer sobre eles. Infelizmente para eles, o pior ainda estava por vir. Enquanto Gêngis morreria em 1227 e Subutai lutava para manter a unidade sob seu terceiro filho Ögedei, a sede mongol de conquista não diminuiu. Pois o massacre do rio Kalka havia sido causado por apenas uma força de reconhecimento avançada mongol.

Quatorze anos depois, Subutai teria o poder de realizar seu sonho de uma grande marcha para o oeste, desta vez levando não uma pequena força de dois tumans, mas uma vasta hoste de 12 tumans, com os quais ele e Batu (filho de Jochi) usariam para esmagar o Kievan Russo completamente e ocupar suas terras. Seria apenas a morte de Ögedei que impediria Subutai, um general que jamais experimentaria a derrota, que forçaria a grande hoste a retornar ao leste, em vez de continuar sua incessante marcha para o oeste com a qual Subutai esperava alcançar o Atlântico. Enquanto as potências europeias lutavam entre si, os mongóis obliteraram as potências de seu tempo, com o Império Song e o Califado Abássida se tornando vítimas dos netos de Gêngis.

READ  100º Dias de Conflito no Leste Europeu

Imagem de Destaque: https://battlesandcampaigns.wordpress.com/2016/12/19/blog-post-title-2/ 

Tradução e adaptação: Prof. Dr. Ricardo Cabral

Fontes

https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_the_Kalka_River

TAPPIN, Jack. Battle of Kalka River. This Day, This Battle. Disponível em: https://www.facebook.com/groups/thisdaythisbattle. Acessado em 05/06/2022

BATTLE OF KALKA RIVER 1223- MONGOL STORM

KAMENIR, Victor. Russian Disaster at the Kalkha River. Warfare History Network. Disponível no sítio eletrônico: https://warfarehistorynetwork.com/2020/03/17/russian-disaster-at-the-kalkha-river/. Acessado em 05/06/2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.