Pular para o conteúdo

Cerco de Jadotville

Prof. Esp. Pedro Silva Drummond

O Cerco de Jadotville aconteceu no contexto da descolonização Africana, durante o período da Guerra Fria. A Independência do Congo aconteceu em 1960, e como na maioria dos Países Africanos, passou por uma crise na sua política interna.

Durante o processo eleitoral da nova Nação, a República Democrática do Congo, Patrice Lumumba foi eleito Primeiro-Ministro congolense, com o apoio da URSS. Lideranças regionais como Moise Tshombe, governante da Província de Katanga, e que era apoiado por grupos capitalistas, rompeu com o governo de Lumumba, e criou à Província Autônoma de Katanga. Esta região era rica em recursos minerais e disputada por exploradores de minério.

Com a disputa na região estabelecida, foi necessária a intervenção da ONU, e com a aprovação do Conselho de Segurança, foi criado a Operação das Nações Unidas no Congo (ONUC). O Secretário-Geral, Dag Hjalmar Agne Carl Hammarskjöld, nomeou Conor O’Brien, diplomata irlandês, como seu representante no Congo, que enviou para Jadotville a Companhia A do 35º Batalhão de Infantaria do Exército Irlandês, liderada pelo comandante Pat Quinlan.

Dias após a chegada das tropas da ONU a Jadotville, os conflitos na capital de Katanga (Elisabethville) aumentaram, e o resultado dos conflitos foi o isolamento das tropas da ONU em Jadotville, quando os katanganeses, conseguiram tomar a ponte que ligava as duas cidades.

As forças ligadas ao governo local tinham em torno de 3.000 homens, e era formada na maior parte por guerreiros da tribo Luba, apoiados por mercenários belgas, franceses e rodesianos.

A batalha contra as tropas da ONU durou menos de uma semana, e durante esses dias os katanganses atacaram e foram derrotados diversas vezes. As tropas da ONU com o passar dos dias começaram a ficar sem munição e suprimentos, e como o apoio não conseguia chegar à derrota era iminente. Diante desse cenário o Comandante Quinlan se viu obrigado a se render.

As forças katanganesas e seus aliados tiveram em torno, de 300 mortos, incluindo 30 mercenários. A Companhia A, teve cinco homens feridos.

Quando os soldados voltaram para a Irlanda, não tiveram o prestígio que imaginavam, mesmo lutando contra uma força superior e resistindo o quanto puderam. O reconhecimento só aconteceu em meados da década de 2010, quando os integrantes da Companhia A, receberam diversas homenagens.

Quer saber mais sobre Cercos Militares entre nas categorias do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.