Pular para o conteúdo

Os Hospitalários

Os Cavaleiros Hospitalários eram uma ordem militar católica medieval coujo o nome completo era “Cavaleiros da Ordem do Hospital de São João de Jerusalém”. A ordem foi estabelecida pela primeira vez em. 1.080 (ou mesmo antes) por um grupo de comerciantes de Amalfi na Itália. O João ao qual foi originalmente dedicado foi o patriarca João, o Esmoleiro. do século VII, mais tarde ele foi substituído como patrono pelo mais conhecido e popular São João Batista.

Em 1.113 a organização foi oficialmente reconhecida como ordem religiosa pelo Papa Pascoal II. Os Cavaleiros Hospitalários usavam um manto preto com uma cruz branca de oito pontas. Roupas coloridas e peles de animais eram proibidas. A partir do século XIII, cavaleiros e sargentos usavam uma túnica escarlate quando em batalha.

No século XII, a maioria dos recrutas vinha da França. Os Hospitalários também eram populares na Boêmia e na Hungria, onde, como em outros lugares, qualquer jovem interessado em uma mistura de vida monástica e aventura militar poderia se juntar. O líder da ordem era o Mestre  eleito por um comitê de irmãos cavaleiros e que ocupava o cargo por toda a vida.

A partir do século XIII, o recrutamento tornou-se mais seletivo, com preferência por aristocratas que também poderiam fornecer fundos à ordem para armas e armaduras caras. Eventualmente, apenas um descendente de um cavaleiro poderia se tornar um cavaleiro da ordem. Esperava-se que os recrutas vivessem uma vida de piedade, castidade, obediência, pobreza relativa e que comessem e dormissem em comunidade. Uma vez no redil e tendo jurado fidelidade ao Mestre, era muito difícil sair, embora comprar a liberdade fosse possível, ainda que escandaloso.

A ordem tinha dois ramos – um para homens e outro para mulheres, oferecia-se ajuda caritativa aos peregrinos da Terra Santa, sobretudo doentes e pobres, embora houvesse até alguns não-cristãos entre os seus doentes. O hospital foi administrado sob os auspícios dos monges beneditinos da Igreja Latina de Santa Maria Latina em Jerusalém. Em 1.113, o seu primeiro mestre, o Beato Geraldo, foi oficialmente nomeado e seus membros foram reconhecidos como monges. Após a captura de Jerusalém pelos exércitos ocidentais na Primeira Cruzada, a ordem foi reorganizada e tornada mais militarista pelo então mestre Raymond du Puy. Entre 1.135 e 1.154, a Igreja concedeu à ordem independência de qualquer autoridade religiosa local.

READ  As Ordens Religiosas Militares da Idade Média

Os Hospitalários, como ficariam conhecidos, acabaram administrando a maioria dos hospitais na Terra Santa e até começaram a construí-los na Europa, sendo um dos primeiros em Utrecht em 1.122. O hospital de Jerusalém era o mais famoso e podia acomodar mais de 1.000 pacientes. Tal era o respeito dos muçulmanos pela instituição que, mesmo quando Saladino, sultão do Egito e da Síria, conquistou Jerusalém, os hospitalários tiveram um ano para fechá-lo e curar os pacientes.

O estabelecimento gradual de postos de comando (comandadas) em toda a Europa garantiu à ordem dos Cavaleiros Hospitalários um suprimento constante de fundos, materiais e recrutas. Geralmente, os postos avançados enviavam um terço de sua receita para a sede da ordem. Na segunda metade do século, a Ordem havia se estabelecido como uma fonte confiável de cavaleiros bem armados e bem treinados imensamente úteis para os exércitos cruzados e os recém-estabelecidos estados cristãos do Oriente Latino.

O líder da ordem era o Mestre eleito por um comitê de irmãos cavaleiros e que ocupava o cargo por toda a vida. A próxima posição mais importante era a de Grande Comandante, o homem responsável pela administração, suprimentos e armas. O marechal cuidava de todos os assuntos militares e disciplinares. Outros oficiais superiores incluíam o Condestável que comandava os cavaleiros (dos quais havia várias centenas de cada vez) e o número muito maior de mercenários que a ordem empregava regularmente, o almirante que comandava os navios da ordem (principalmente baseados em Marselha e Chipre), o Mestre Esquire encarregado dos cavalos, o Gonfanonier ou porta-estandarte, e os vários castelhanos, os comandantes individuais dos maiores castelos hospitalários. Irmãos não militares de alto escalão incluíam o Prior Conventual – a figura eclesiástica mais alta, o Hospitalário – chefe dos hospitais – e o Tesoureiro. Abaixo desses números havia um vasto exército de administradores cuidando de tudo, desde roupas até funerais de irmãos.

No século XII, a França provou ser um terreno de recrutamento especialmente frutífero e a ordem dos Cavaleiros Hospitalários passou a ser dominada por guerreiros daquela região. Os Hospitalários também eram populares na Boêmia e na Hungria, onde, como em outros lugares, qualquer jovem interessado em uma mistura de vida monástica e aventura militar poderia se juntar. Embora nenhum status social específico fosse exigido, criminosos, endividados ou ex-membros de outras ordens militares não podiam participar.

READ  O Papel do Exército Brasileiro no final do século XX e início do século XXI

A partir do século XIII, o recrutamento tornou-se mais seletivo com uma preferência definitiva por aristocratas que também poderiam fornecer à ordem os fundos necessários para armas e armaduras caras. Eventualmente, apenas um descendente de um cavaleiro poderia se tornar um cavaleiro da ordem. Os irmãos usavam um manto ou manto preto com uma cruz branca de oito pontas. Roupas coloridas e peles de animais eram proibidas. A partir do século XIII dC, cavaleiros e sargentos usavam uma  túnica escarlate quando em batalha. Como em outras ordens militares, os menores podiam ingressar como noviciados e receber treinamento ao longo de vários anos para se tornarem irmãos de pleno direito, embora os Hospitalários fossem conhecidos por dar menos atenção à educação geral, com o resultado de que muitos recrutas permaneceram analfabetos. Além dos cavaleiros, havia a categoria mais baixa de sargentos, a classe ainda mais baixa de servos e, é claro, aqueles que eram puramente sacerdotes e nunca levantavam uma espada.

Uma das pedras angulares do sistema de crenças dos Cavaleiros Hospitalários centrava-se na simplicidade, e isso foi refletido por sua garantia ou conjunto de armas e armaduras. Em essência, ao contrário das fileiras de cavaleiros da Europa e até mesmo dos Outremer, os Hospitalários (como seus contemporâneos Templários) tendiam a evitar elementos decorativos em suas armaduras.

Mas isso não quer dizer que sua armadura fosse de qualidade inferior; pelo contrário, os cavaleiros hospitalários tendiam a importar e, portanto, pagar uma quantia considerável por suas armaduras mais pesadas e equipamentos de proteção da Europa (em oposição aos Estados cruzados locais). Para esse fim, muitos dos irmãos e agentes da Ordem, vestidos com seus trajes despretensiosos, foram enviados especificamente para a Europa (por capítulos) não apenas para obter armaduras de melhor qualidade, mas também cavalos e outros equipamentos militares complementares.

Em termos de equipamento real, o sistema de armadura para os cavaleiros hospitalários se traduziu em uma cota de malha pesada que era coberta por seu manto preto característico e geralmente acompanhada por um aketon acolchoado ou gambeson embaixo da malha. As extensões de proteção geralmente incluíam uma touca de malha (fort et turcoise) para a cabeça, cuisses para as coxas e manicle de fer (ou luvas de malha) para as mãos.

READ  Batalha de Arcole

No entanto, deve-se notar que mesmo cavaleiros e caravaneiros de alto escalão às vezes abandonavam suas pesadas cotas de malha durante os verões, especialmente durante breves incursões e ataques. Em vez disso, eles optaram pelos já mencionados gambesons ou panceria (armadura de malha leve). Alguns dos irmãos hospitalários de classificação mais baixa, especialmente na frente ibérica, provavelmente também preferiam coirasses ou armaduras de couro.

Além da renda de novos recrutas e doações em dinheiro, as propriedades produziam azeite e a cana-de-açúcar geravam grande ​​​​lucros. Além disso, os comerciantes eram obrigados a pagar taxas ao passar por territórios de propriedade dos Hospitalários. O espólio de guerra e a aquisição de escravos também eram contribuintes insignificantes para os cofres do Mestre. A ordem foi continuamente impulsionada pela aquisição de propriedades e materiais, seja pela força, doação, ou seu abandono após a guerra, para que os hospitalários, embora nunca foram tão ricos quanto sua reputação prometia entre os estrangeiros epudessem administrar com lucro fazendas, mosteiros, mercados, padarias, moinhos e pousadas em toda a Europa e Oriente Médio.

Os Hospitalários, como outras ordens, como os Cavaleiros Templários, forneceram algumas centenas de cavaleiros vitais aos exércitos cruzados ocidentais, especialmente a partir da Terceira Cruzada, quando frequentemente formavam os flancos dos exércitos no campo de batalha. De fato, o grande líder muçulmano Saladino ofereceu uma recompensa a qualquer homem que fizesse um prisioneiro hospitalário; tal era sua importância para os exércitos cruzados. A ordem também continuou seu importante papel na oferta de atendimento médico a quem dele necessitava.

Um dos primeiros castelos dados à ordem para ajudar a cumprir sua função de proteger o território controlado pelos cruzados no Oriente Médio foi Beth Gibelin (também conhecido como Bayt Jibrin) perto de Jerusalém em 1.136 pelo rei Fulk de Jerusalém. Eles notoriamente tinham uma guarnição em Krak de Chevaliers, o enorme castelo na Síria dado à ordem em 1.144. Ao todo, os Hospitalários chegaram a controlar cerca de 25 castelos no Oriente Médio, muitos dos quais guardavam importantes áreas costeiras e rotas terrestres.

Fonte

https://www.instagram.com/p/CEj82SBDLV_/

https://www.instagram.com/p/CZaA_ykvZ9z/

https://www.instagram.com/p/CZckAwPPNXB/

https://www.instagram.com/p/CZfKKZnv2qL/

https://www.instagram.com/p/CZht3pPPbJH/

Tradução e adaptação Prof. Dr. Ricardo Cabral

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.